Criminalidade aumenta na região da Luz mesmo com combate à Cracolândia

  • Por Jovem Pan
  • 25/11/2014 10h08

A região da Luz teve crescimento da criminalidade mesmo com programa da prefeitura de São Paulo para reduzir o consumo de drogas na Cracolândia. Em janeiro, foi implantada a Operação Braços Abertos, que prevê moradia e emprego para os dependentes químicos, mas sem obrigação de tratamento.

Na delegacia que atende a área, os roubos subiram de 2.485 nos nove primeiros meses de 2013 para 2.911 neste ano, alta de 17,1%.

Os furtos passaram de 5.061 em 2013 para 5.446 de janeiro a setembro de 2014, de acordo com a Secretaria de Segurança Pública.

Após 10 meses do projeto, os viciados construíram uma favela na esquina da Alameda Cleveland com a Rua Helvétia, em frente à Estação Júlio Prestes.

Os moradores e as pessoas que trabalham no bairro dizem que têm medo de passar pela região e revelam que não houve mudanças significativas no período.

O comandante da Polícia Militar no centro da cidade apontou que o número de policiais na região varia entre 110 e 120 atualmente e que não houve redução.

*Ouça os detalhes no áudio

O coronel Celso Luís Pinheiro afirmou que grande parte das ocorrências da área não é notificada, o que dificulta o planejamento da PM.

O chefe do Centro de Assistência Toxicológica do Hospital das Clínicas disse que o programa adotado não leva em conta as condições dos viciados.

Falando a Anderson Costa, o médico Anthony Wong disse que os usuários de crack não possuem discernimento para decidirem sobre o próprio destino.

O prefeito de São Paulo nega que exista uma nova favela na região da Cracolândia, pois os barracos são desmontados todos os dias.

Fernando Haddad revelou que há um grupo de usuários de drogas mais violento que está dificultando o trabalho da Operação Braços Abertos.

O secretário de Segurança Pública do Estado se reuniu na tarde de ontem com representantes da prefeitura e das polícias Civil e Militar.

Fernando Grella Vieira garantiu que as polícias irão atuar para coibir o grupo citado pelo prefeito e facilitar as ações do programa “De Braços Abertos”.