Cristina Kirchner diz que recebeu ameaças do Estado Islâmico

  • Por Jovem Pan
  • 20/09/2014 19h08

A presidente da Argentina, Cristina Kirchner, disse neste sábado, durante sua visita ao Vaticano para se reunir com o papa Francisco, que recebeu ameaças do grupo jihadista Estado Islâmico (EI), informou a presidência argentina em comunicado.

“Dias atrás, dois delegados, um da Polícia Federal e outro da Polícia de Buenos Aires fizeram uma denúncia por ameaças contra minha pessoa”, disse Cristina em um encontro com a imprensa após o almoço com Francisco, segundo o comunicado.

“A denúncia realizada pelos dois policiais foi pelo fato que tinham surgido ameaças do Estado Islâmico contra minha pessoa, pela amizade com o papa Francisco e pela posição da existência dos dois Estados: do Estado da Palestina e do Estado de Israel”, continuou.

A presidente fez essas declarações após ser perguntada se tinha conversado na reunião com o papa sobre a segurança do pontífice, que também recebeu ameaças por parte do grupo jihadista.

No entanto, Cristina fez questão de minimizar a gravidade das ameaças e disse que “deveria viver embaixo de uma cama” se fosse se importar com as mesmas, “assim como o papa”.

A chefe do Estado argentina explicou que as ameaças contra sua pessoa foram remetidas para a avaliação do Ministério de Segurança argentino e pela Secretaria de Inteligência.

Cristina Kirchner e o papa argentino se encontraram hoje pela quarta vez desde o início do pontificado de Francisco, por solicitação do próprio pontífice, para um almoço privado na residência vaticana de Santa Marta.