Cúpula da ONU procura acelerar as negociações contra a mudança climática

  • Por Agencia EFE
  • 24/09/2014 00h23

Agustín de Gracia

Nações Unidas, 22 set (EFE).- Mais de cem governantes participam na terça-feira de uma histórica Cúpula do Clima organizada pela ONU, que procura incentivar o impulso político para acelerar as negociações a fim de combater o aquecimento global.

Na cúpula, que será realizada na sede da ONU, participarão também líderes empresariais, especialistas e representantes de organizações sociais, o que transforma o encontro em uma reunião sem precedentes.

Os chefes de Estado se reuniram em Copenhague em 2009 e voltarão a se reunir em Paris em 2015, mas a cúpula de terça-feira em Nova York pretende ser mais plural porque incorpora setores que costumam estar à margem destas negociações internacionais.

“Estamos abrindo novos caminhos em muitos níveis diferentes”, sustenta a máxima responsável da ONU para a Mudança Climática, Christiana Figueres, ao descrever os objetivos da reunião desta terça-feira.

“O tempo se esgota, as emissões de efeito estufa seguem crescendo e se não mobilizarmos todos os setores, todas as forças e todos os níveis, não poderemos responder de forma responsável à mudança climática”, acrescentou.

A ONU deixou claro que a cúpula de amanhã não faz parte das negociações anuais das Conferências das Partes da Convenção Marco das Nações Unidas sobre a Mudança Climática (COP), que serão realizadas neste ano em Lima e no próximo em Paris.

Mas as Nações Unidas esperam que a cúpula de amanhã permitirá conhecer como estão se movimentando os governos com relação à Lima e Paris, e especialmente no que diz respeito à reunião na França, onde deve ser assinado um novo acordo sobre a mudança climática.

As decisões finais serão adotadas em Paris, mas em Lima será possível aplanar o caminho para a conferência do ano seguinte e, ao contrário, ver se existe vontade política para assegurar o êxito da cúpula da capital francesa.

O subsecretário-geral da ONU para Planejamento e Coordenação de Políticas, Robert Orr, destacou o fato de que na reunião de terça-feira participarão representantes de empresas privada, para que seja possível intercambiar critérios com os governantes.

“Estamos juntando todas as partes no barco”, afirmou Orr quando apresentou na semana passada os principais objetivos desta cúpula.

Também destacou o mesmo ponto o responsável do programa de mudança climática de WWF Espanha, Mar Asunción. “É algo que não tinha sido feito até agora, e a nós parece que é uma boa oportunidade”, disse Assunção à Agência Efe.

“Realmente é necessário um impulso a mais para que o novo acordo esteja à altura do que o mundo necessita, para prevenir os piores impactos da mudança climática”, acrescentou.

A reunião de terça-feira começará às 8h (9h, em Brasília). Está previsto que na abertura discursem, entre outros, o ator e ativista ecológico Leonardo DiCaprio e o ex-vice-presidente americano Al Gore, destacada personalidade neste tema.

Os trabalhos serão repartidos em distintas mesas, e espera-se que a cerimônia de encerramento termine 11 horas depois da abertura.

A ONU considera que esta cúpula se desenvolve em uma mobilização sem precedentes na proteção do meio ambiente, tanto em nível político como popular.

No domingo, mais de 300 mil pessoas desfilaram por importantes avenidas de Manhattan para fornecer seu próprio grão de areia a esta mobilização mundial, em uma marcha na qual participou o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon.

“Mais e mais gente está entendendo que a mudança climática está ocorrendo e que está afetando às comunidades e as economias ao redor do mundo”, afirmou hoje Ban.

“Pedi a todos os que venham à Cúpula do Clima que se comprometam para uma ação transformadora”, acrescentou. EFE