Declaração israelense é insulto à diplomacia brasileira, diz ex-secretário-geral do Itamaraty

  • Por Jovem Pan
  • 24/07/2014 17h13

Ex-secretário-geral do Itamaraty, o embaixador Marcos Azambuja se manifestou sobre as duras declarações de Israel contra o governo brasileiro nesta quinta-feira (24).

Em comunicado à imprensa, o Ministério das Relações Exteriores de Israel, por meio do porta-voz, Yigal Palmor, manifestou um “desapontamento com a decisão do governo do Brasil de retirar seu embaixador para consultas.” De acordo com o jornal judaico The Jerusalem Post, Palmor disse que “essa é uma demonstração lamentável do porquê o Brasil, um gigante econômico e cultural, continua a ser um anão diplomático”.

Para Azambuja, os termos são inaceitáveis. “Não é possivel qualificar um país como o Brasil de anão diplomático”, diz. “É uma ofensa e não há nada há dizer que não seja repelir e falar que isso é um insulto à diplomacia brasileira.”

No entanto, ele acredita que as autoridades brasileiras não devem realizar nenhum tipo de retaliação neste momento. “A situação lá é complicada e o Brasil deve fazer tudo que ele pode para atenuar, e não acentuar as dificuldades”, afirma.

O embaixador afirma que a resposta brasileira deve centrar na racionalidade e na convivência. “O Brasil é a antítese do Oriente Médio. (…) Um gigante em tolerância, em conciliação e capacidade de viver entre comunidades com ideias diferentes”, diz.

Sobre a retirada do embaixador brasileiro de Tel Aviv, Azambuja acredita que foi uma atitude neutra. “É um dos recursos que um governo tem quando surgem problemas num local e você quer mostrar sua preocupação”.

Confira a entrevista completa no áudio.