Desafio da gestão pública é racionalizar gastos e limitar tributos, diz Levy

  • Por Agência Brasil
  • 07/10/2015 13h52
SÃO PAULO, SP - 29.09.2015: PREMIAÇÃO-EMPRESAS - O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), e o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, durante a premiação Empresas Mais, na manhã desta terça-feira, na capital paulista. O evento, realizado pelo jornal "O Estado de S. Paulo", contempla as companhias públicas ou privadas mais eficientes e avançadas do Brasil. (Foto: Carla Carniel/Frame/Folhapress) Carla Carniel/Frame/Folhapress Ministro da Fazenda Joaquim Levy durante a premiação Empresas Mais em São Paulo

O ministro da Fazenda, Joaquim Levy, disse nesta quarta-feira (7) que o grande desafio da gestão pública é racionalizar os gastos do Governo e estar atento à carga tributária, que tem seus limites.

Levy participou do 5º Congresso de Informação de Custos e Qualidade do Gasto no Setor Público, realizado na Escola Superior de Administração Fazendária (Esaf) em Brasília. Segundo ele, se há uma demanda crescente por serviços públicos é importante observar que o Governo tem limites orçamentários.

“Se, por um lado, a capacidade de tributação tem limites, por outro, há expectativas – concretas e legítimas – de provisão e melhora de serviços públicos”.

Para o ministro da Fazenda, a capacidade de se extrair recursos da sociedade é limitada, uma vez que há um ponto em que a incidência de impostos pode prejudicar a atividade econômica. Observou, porém, que há outro ângulo da questão, que é existência, na sociedade, de demanda crescente por serviços. “Como podemos conciliar, diante das restrições? A chave está na racionalização [dos gastos] e na priorização [de projetos]”, afirmou.

O ministro lembrou que, no Brasil, as aposentadorias preenchem 40% dos gastos público do Governo federal. Outra despesa significativa, segundo Levy, se refere à área de saúde. Citou também, como relevantes, as despesas com programas assistenciais de transferência de renda, serviços essenciais para o setor produtivo e educação. “Esses são os grandes itens do gasto público”, disse.

Segundo Levy, é importante que o Governo esteja sempre atento para identificar como “está gastando e em quê está gastando”. De acordo com o ministro da Fazenda, essa responsabilidade do Governo visa a garantir que “cada real e cada centavo posto na mão da administração pública pela própria sociedade tenha o melhor destino e o melhor resultado”.

O ministro defendeu ainda a desindexação da economia. Para ele, mesmo com a estabilidade da moeda, o país ainda tem o hábito de ficar “revivendo o passado”, atrelando preços a algum tipo de índice. “Isso torna a política monetária mais difícil de ser conduzida, mais onerosa”, acrescentou Levy.

Levy disse que a desindexação da economia constitui uma prioridade para o país. Essa tarefa, conforme acrescentou o ministro da Fazenda, conta com defensores no setor privado. “A indexação diminuirá os grilhões que nos amarram ao passado”, disse.

O 5º  Congresso Internacional de Informação de Custos e Qualidade do Gasto no Setor Público, promovido pela Secretaria do Tesouro Nacional do Ministério da Fazenda, começou hoje (7) e termina na próxima sexta-feira (9). O evento debaterá a qualidade dos gastos da máquina administrativa e a necessidade de transparência nas políticas públicas.

O relator-geral do Tribunal de Contas do Governo Francês, François Monier, falará, durante o congresso, sobre diminuição dos gastos públicos em contexto de austeridade orçamentária. O secretário do Tesouro Nacional, Marcelo Saintive, também participa do evento.