Dilma Rousseff se reunirá com colegas dos países Brics

  • Por Agencia EFE
  • 09/07/2015 09h28

Ufa (Rússia), 8 jul (EFE).- A presidente do Brasil, Dilma Rousseff, manterá nesta quinta-feira vários encontros bilaterais com seus colegas do grupo dos países Brics, paralelos à cúpula realizada na cidade russa de Ufa, ao sul dos Urais.

Dilma, que se reuniu ontem à noite com o anfitrião da reunião, o líder russo Vladimir Putin, se encontrará nesta quinta-feira com o presidente da China, Xi Jinping, com o sul-africano, Jakob Zuma, e com o primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi, no marco desta VII cúpula dos Brics.

Em sua reunião com Putin, “a parte brasileira tratou do assunto relativo às dificuldades dos exportadores brasileiros para fornecer produtos agrícolas à Rússia”, segundo informou hoje o porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov.

Por sua vez, o presidente Putin expressou a Dilma sua esperança de que o Brasil ratifique em breve vários acordos bilaterais, acrescentou o porta-voz russo.

“Há uma série de acordos bilaterais que há muito tempo esperam ratificação em Brasília. Putin manifestou sua esperança de que finalmente a parte brasileira ratificará o acordo para evitar a dupla tributação, o de cooperação no âmbito militar”, disse Peskov.

Ambos líderes também abordaram a crise da Ucrânia nas conversas que mantiveram ontem à noite.

“Putin explicou com pormenores a situação e avaliou altamente a postura moderada de nossos colegas brasileiros frente a este problema”, disse Peskov, em referência ao fato de Moscou ser alvo de fortes críticas e sanções por parte do Ocidente por seu papel na crise ucraniana e pela anexação da Crimeia.

Na reunião, Dilma disse que espera que a Rússia e Brasil aumentem seus intercâmbios comerciais, que “ainda estão abaixo de seu potencial”.

A governante brasileira participou hoje com seus colegas dos países Brics no Conselho Empresarial do grupo, um fórum destinado a identificar oportunidades multilaterais de investimento e a preparar projetos conjuntos.

“Devemos reforçar cada vez mais o papel dos Brics tão importante para o desenvolvimento global…O comércio e os investimentos devem desempenhar um papel fundamental”, disse Dilma perante os presentes.

Dilma destacou sua “satisfação” pelo fato de que os acordos alcançados na passada cúpula de Fortaleza (Brasil) em 2014 para criar o Novo Banco de Desenvolvimento e o Fundo de Reservas em moeda estrangeira “foram ratificados e as novas instituições estão já listas para entrar em funcionamento”.

A governante brasileira chegou a Ufa no meio de uma delicada situação em seu país, com sua popularidade baixa pela crise econômica e pedidos de renúncia por parte da oposição.

O Brasil atravessa uma crise agravada pelo ajuste fiscal lançado pelo governo e as previsões indicam que este ano Brasil terminará com uma queda de 1,2% do PIB, seu pior resultado desde 1990. EFE