Dois estudantes e um jornalista são presos em ato na Av. Paulista

  • Por Jovem Pan
  • 09/10/2015 09h32
SAO PAULO, SP,09.10.2015:PROTESTO-ESCOLAS-Estudantes secundaristas fazem protesto em frente ao Masp na av Paulista nesta manha de sexta feira (09), em Sao Paulo, contra a reorganizacao e fechamento de escolas estaduais, proposta pelo governador Geraldo Alckmin. (Foto: Dario Oliveira/Codigo19/Folhapress)Estudantes protestam contra fechamento de escolas estaduais na Avenida Paulista

Três pessoas foram detidas durante manifestação de estudantes contra a mudança nas escolas estaduais proposta pelo governador Geraldo Alckmin nesta sexta-feira (09). Um jornalista, que disse ter sido agredido por um policial, foi levado à delegacia. Dois estudantes também foram fichados por resistência. Gás de pimenta foi utilizado contra os manifestantes.

O capitão que coordena a força tática da operação disse à repórter Carolina Ercolin que houve a infiltração de “no mínimo 30 black blocs” no protesto, com máscaras de personagens como o Coringa. “Anarquistas” teriam sido fotografados e liberados. Segundo a PM, já havia uma previsão de participação de black blocs na manifestação, monitorada pelos policiais desde o início, no vão livre do MASP.

O protesto segue pelo sentido Consolação, paralisando todas as faixas da via nessa direção. O ato começou no vão livre do MASP, seguiu sentido Paraíso, deu a volta na Praça Osvaldo Cruz e seguia às 9h44 rumo à Consolação, perto da estação Brigadeiro do metrô, mais tranquilamente após a ação da polícia. Os dois sentidos da via enfrentavam muito congestionamento.

A reestruturtação proposta pelo governo estadual quer que cada escola concentre apenas um ciclo do período escolar. Ou seja, se aprovadas as mudanças, algumas instituições terão aulas apenas para o Ensino Médio, outras para apenas uma parte do Ensino Fundamental, e assim por diante, já a partir de 2016.

Grupos contrários à medida temem que isso diminua a contratação de professores, deixe as salas de aula lotadas e dificulte o acesso de alunos a escolas (caso eles não estejam perto de instituições com a série correspondente após a reforma), aumentando a evasão escolar.

Protesto começou no vão livre do MASP (Dario Oliveira/Codigo19/Folhapress)

Com informações da repórter Jovem Pan Carolina Ercolin