Drones são a nova aposta para salvar recursos naturais de Peru e Panamá

  • Por Agencia EFE
  • 07/12/2014 10h30

Fernando Gimeno.

Lima, 7 dez (EFE).- Com o objetivo de conservar os recursos naturais de seus territórios ancestrais, os povos indígenas do Peru e do Panamá se preparam para utilizar drones que mostrem a contaminação e o desmatamento de suas florestas.

As primeiras imagens destas câmeras foram exibidas nesta semana na 20ª Cúpula das Nações Unidas sobre a Mudança Climática (COP20) e mostraram derramamento de petróleo em Pacaya Samiria, a maior reserva natural do Peru, com dois milhões de hectares.

Segundo relataram à Agência Efe os responsáveis do projeto, os voos de teste registraram um vazamento de petróleo no oleoduto Yanayacu-Saramuro, de uma exploração do Lote 8, concedido à empresa argentina Pluspetrol Norte, que terminava no rio Maranhão que, em seu encontro com o Ucayali, forma o Amazonas.

As imagens foram captadas em agosto durante a primeira oficina de manejo de drones para atentos indígenas que foi organizada pela Associação Interétnica de Desenvolvimento da Selva Peruana (Aidesep), na comunidade nativa de Kukama-Kukamiria.

“Nunca pudemos comprovar, mas, com os drones, demonstramos que as áreas naturais não estão tão protegidas como afirmam e suas fotos servem para qualquer tipo de justiça ambiental, já que mostram os descumprimentos e violações das normas”, disse à Agência Efe a especialista florestal da Aidesep, Wendy Pineda.

Na atividade, desenvolvida com o apoio da Aliança Mesoamericana de Povos e Florestas, também participaram representantes do povo Emberá do Panamá, que repetirão a experiência em janeiro dentro de seu território.

No Panamá, espera-se que os drones contribuam para determinar qual é a área de floresta de cada comunidade e fazer cálculos sobre seu respectivo potencial na captura de carbono, um dos pilares da negociação da COP20 em Lima para o novo acordo mundial que será assinado em 2015.

Por sua vez, a Federação Nativa do Rio Madre de Dios (Fenamad), está interessada em utilizar os drones para colher evidências de povos indígenas em isolamento voluntário, “porque é a maneira mais indicada para poder intervir” para que ninguém ingresse em seus territórios, afirmou Pineda.

Os drones custam cerca de US$ 12 mil, têm um raio de ação de 16 quilômetros desde o controle remoto e são capazes de voar a uma velocidade de 60 km/h, com um equipamento composto por uma câmera de ação GoPro e outra câmera fotográfica.

“Qualquer vigilante das comunidades pode caminhar um máximo de seis quilômetros por dia na selva”, e quando chega a exploração, “não pode passar porque as instalações estão resguardadas por policiais, mas o drone cobre muito mais espaço em poucas horas e capta imagens muito reveladoras”, assegurou Pineda.

Agora o objetivo da Aidesep é apoiar os nativos do Peru para que fabriquem seus próprios drones e que pelo menos haja um em cada uma de seus 65 federações regionais.

“Assim como os povos indígenas adotaram tecnologias como o GPS para localizar seu território, agora os drones servirão para melhorar a vigilância de seus espaços”, acrescentou Pineda.

Por sua vez, a advogada Sara Omi, assessora legal da comarca Emberá e da Coordenadoria Nacional dos Povos Indígenas do Panamá (Coonapip), assegurou à Agência Efe que a aplicação dos drones no Panamá servirá para conservar os territórios indígenas da poda de madeira, da mineração, e “sobretudo, do desmatamento”.

“É uma ferramenta para obter informação de maneira rápida e tangível, que ajudará muito a demonstrar os níveis de desmatamento, causado pela invasão de terrenos por parte de camponeses nos territórios nativos, que abrangem 34% da superfície do país”, concluiu Omi. EFE

fgg/ff/rsd