“É um absurdo”, diz especialista em defesa do consumidor sobre falta de energia após temporais em SP

  • Por Jovem Pan
  • 13/01/2015 16h56
Renata Perobelli/JOVEM PAN Temporal derruba árvores e causa transtorno em São Paulo

A cidade sofreu com muitos problemas durante os temporais dos últimos dias, principalmente o que acometeu a cidade de São Paulo durante a tarde desta segunda-feira (12). A AES Eletropaulo divulgou nota dizendo que o temporal de ontem impactou fortemente na rede elétrica, interrompendo o fornecimento de energia para 800 mil clientes, que é um dano maior do que aquele causado no dia 29 de dezembro do ano passado, quando atingiu 500 mil clientes.

Com a falta de energia, muitos perdem alimentos que estragam nas geladeiras, remédios, além de perda de eletrodomésticos.

Em caso de falta de energia, o advogado especialista em defesa do consumidor, Arthur Rollo, comentou sobre o que as pessoas podem fazer para serem ressarcidas.

“Um comerciante que teve que alugar um gerador configura um dano. Alugue esse gerador, pegue uma nota fiscal do aluguel desse gerador e entre com uma ação contra a AES Eletropaulo pedindo o ressarcimento desses valores. Quem não tem condição de fazer isso, ficou com estabelecimento sem funcionar, por exemplo, perdeu faturamento. Se tem um faturamento de R$ 5 mil e fechou por 48h, perde R$ 10 mil e também é passível de ressarcimento junto a Eletropaulo”, comentou o advogado.

Arthur Rollo ainda recomenda que as notas fiscais de produtos alimentícios sejam guardadas por um período de 15 dias, aproximadamente, pois em casos de falha no serviço de energia e, consequentemente, na perda desses alimentos, é possível entrar com uma ação e é passível de indenização por parte da Eletropaulo.

“É importante não deixar isso para lá, por que se fala em aumentar contas de luz, mas o serviço precisa ser eficiente para isso”, argumentou.

Arthur Rollo ainda destacou que “em grande parte, a falta de energia deve-se à queda de árvores” e relatou que o tempo de espera de atendimento quando as pessoas tentam entrar em contato é “absurdo”.

“Você liga na Eletropaulo e eles dizem que estão sem previsão. É um serviço essencial. Ontem, em São Paulo vivemos um clima de interior, sem luz. (…) Tem um decreto estabelecendo tempo máximo de atendimento aos clientes, que é de um minuto”, disse Arthur Rollo sobre ouvintes que disseram esperar até 25 minutos para serem atendidos.

Sobre a falta de equipes suficientes para realização dos serviços, o advogado afirmou que as equipes devem atender e resolver os problemas com brevidade: “se não tem uma equipe que dá cobertura a uma grande área, pegue uma área menor. O que não dá é continuar com o serviço desse jeito”, disse.

*Ouça mais detalhes no áudio

Comentários

Conteúdo para assinantes. Assine JP Premium.