Economia do Japão registra maior contração desde o terremoto de 2011

  • Por Agencia EFE
  • 12/08/2014 22h29

Tóquio, 13 ago (EFE).- A economia do Japão se contraiu 6,8% no índice anualizado entre abril e junho, afetada pela recente alta do imposto sobre o consumo, no que representa seu maior retrocesso desde que o país foi golpeado pelo terremoto e tsunami de 2011.

Com relação ao trimestre anterior, o Produto Interno Bruto (PIB) do Japão registrou uma contração de 1,7%.

O consumo, principal motor da economia japonesa, mostrou um retrocesso de 5 % em relação a janeiro-março após o aumento do IVA, que passou de 5% a 8% no último dia 1º de abril e contraiu com força a demanda interna.

As exportações, outro dos componentes-chave da terceira economia mundial, encolheram 0,4%, ao mesmo tempo em que as importações recuaram 5,6%, evidenciando o arrefecimento do país asiático no segundo trimestre de 2014.

O investimento de capital corporativo, por sua parte, registrou uma queda intertrimestral de 2,5%.

Até o investimento público, uma das três ferramentas com as quais o primeiro-ministro Shinzo Abe alimentou o impulso que viveu a economia japonesa há um ano e meio sob seu mandato, mostrou um retrocesso de 0,5%.

A contração mostrada pelo país asiático, a maior desde a registrada no trimestre janeiro-março de 2011, poderia empurrar o Banco Central do Japão a apresentar um pacote de estímulo adicional.

A entidade lançou em abril de 2013 um agressivo programa de compra de ativos com o qual pretende duplicar a base monetária para 2015 e conseguir uma alta de preços estável que se situe em torno de 2% anualizado e acabe assim com o ciclo deflacionário.

Os dados macroeconômicos do período abril-junho também poderiam fazer com que a administração Abe cogite seriamente adiar a alta de dois pontos percentuais do imposto sobre o consumo que está prevista para abril de 2015. EFE