Acordo entre Mercosul e UE fracassa e negociação dependerá de Bolsonaro

  • Por Jovem Pan
  • 14/12/2018 18h59
Reprodução/FlickrEquipe do novo governo tem indicado que bloco econômico não será prioridade

A última rodada de negociações do acordo comercial entre o Mercosul e a União Europeia terminou sem nenhum tipo de acordo. O fracasso na aproximação entre os blocos fez com que as discussões fossem adiadas para o ano que vem. Agora, caberá ao futuro presidente Jair Bolsonaro decidir sobre o destino da parceria internacional

O adiamento frustrou a esperança de Michel Temer em deixar para o Brasil um tratado de dimensões importantes. O pacote esteve perto de ser fechado em 2017, depois de 18 anos de negociações. Mas, nas ocasião, o grupo sul-americano considerou que os europeus não tinham feito nenhum gesto significativo que indicasse a abertura de mercado.

Somente após a eleição de Bolsonaro, que tem indicado que o governo não vai priorizar o Mercosul, a Comissão Europeia que trata do assunto se mobilizou para tentar formalizar a parceria antes da posse da nova gestão. As reuniões aumentaram, com delegações voando para os dois lados do Oceano Atlântico, mas o esforço não teve sucesso.

França, Irlanda e alguns países do leste europeu não demonstraram muito interesse em abrir mercado para bens agrícolas da América do Sul. Outro banho de água fria no acordo foi um alerta do presidente francês Emmanuel Macron, durante o G-20: ele só assinaria a parceria se todos os países seguissem o Acordo Climático de Paris.

Mesmo com a referência termos ambientais dos quais Bolsonaro ameaçou tirar o Brasil, os blocos tentaram uma saída positiva mais uma vez, nesta semana, em Montevidéu, no Uruguai. Segundo o Mercosul, a União Europeia não apresentou propostas “suficiente” de abertura. Se houvesse, ministros se encontrariam para decisões finais, o que não ocorrerá.

*Com informações do Estadão Conteúdo