Airbus quer revolucionar aviação e planeja aeronaves movidas a hidrogênio para 2035

Projeto ‘ZEROe’ tem como objetivo desenvolver o primeiro avião comercial com emissão zero de poluentes

  • Por Jovem Pan
  • 21/09/2020 18h07
Reprodução/ Twitter AirbusProjeto ZEROe tem três protótipos de aeronaves

A Airbus, atravessando uma grave crise financeira devido à queda da atividade devido à pandemia da Covid-19, apresentou nesta segunda-feira (21) um plano ambicioso que aposta no hidrogênio como fonte de energia e espera ter o primeiro avião comercial com emissão zero de poluentes para o ano de 2035. O gigante europeu da aviação possui atualmente três conceitos dos quais surgirá a futura aeronave, cada um dos quais, segundo um comunicado, ‘explora diferentes soluções tecnológicas e configurações aerodinâmicas’. “É a mudança mais emocionante que a aviação já conheceu”, disse o vice-presidente responsável pelo programa de emissões zero, Glenn Llewellyn, em seu comunicado à imprensa, reconhecendo que ‘ainda há muito trabalho a ser feito’.

O primeiro conceito, com alcance de mais de 2 mil milhas náuticas (mais de 3,5 mil quilômetros) e capacidade para entre 120 e 200 passageiros, está sendo projetado para cobrir rotas transcontinentais e é movido por um motor de turbina a gás modificado que funciona por combustão de hidrogênio. O segundo, com até 100 passageiros, usaria motor turboélice, ao invés de turbofan como antes, e seria também alimentado por combustão de hidrogênio em motores de turbina a gás modificados. O terceiro, com até 200 passageiros, é o mais revolucionário visual e arquitetônico, pois traria para a aviação comercial o conceito de asa voadora, usado até agora apenas em aeronaves experimentais ou no bombardeiro americano B-2.

As imagens geradas por computador deste conceito divulgadas à imprensa mostram como as asas se fundem com uma fuselagem “excepcionalmente larga”, permitindo múltiplas opções para armazenamento e distribuição de hidrogênio e configuração de cabine. Os três projetos da Airbus estão agrupados sob o codinome “ZEROe” e o consórcio aeronáutico está confiante de que dentro de três a cinco anos, o andamento das investigações lhe permitirá saber em qual das três ideias apostará no futuro. O fabricante europeu conta com os avanços da sua própria indústria e do setor espacial e automotivo, mas é evidente que sua implementação não depende apenas deles, mas também da colaboração de parceiros públicos e privados e de todos os atores envolvidos na aviação.

“Acreditamos que é viável se fizermos as coisas bem e se a indústria evoluir conosco”, acrescentou o vice-presidente Executivo de Engenharia, Jean-Brice Dumont. O investimento necessário ainda não está especificado, mas está estimado em várias dezenas de bilhões de euros. À medida que outros participantes contribuem para a expansão dessa tecnologia, a Airbus espera que o custo de desenvolvimento diminua gradualmente.

*Com Agência EFE