BNDES já pagou limite de 60% do lucro de 2016 em dividendos ao Tesouro

  • Por Estadão Conteúdo
  • 14/08/2017 16h43 - Atualizado em 14/08/2017 16h45
Brasil, Rio de Janeiro, RJ. 06/05/2010. Prédio do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), no centro do Rio de Janeiro. - Crédito:PAULO VITOR/AGÊNCIA ESTADO/AE/Codigo imagem:56876"Este ano já cumprimos o estabelecido na nossa política", disse a superintendente da área de controladoria da instituição, em teleconferência para comentar os resultados do BNDES no primeiro semestre

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) já pagou o limite máximo de 60% do seu lucro líquido de 2016, o que equivale a R$ 3,805 bilhões, em dividendos e juros sobre capital próprio (JCP) para a União, afirmou nesta segunda-feira a superintendente da Área de Controladoria da instituição de fomento, Vânia Borgerth.

A executiva lembrou que a política de dividendos do banco, que estabeleceu o limite de 60%, foi aprovada em dezembro passado. “Este ano já cumprimos o estabelecido na nossa política”, disse Vânia, em teleconferência para comentar os resultados do BNDES no primeiro semestre.

Segundo a superintendente, embora esteja prevista no estatuto do banco a antecipação de dividendos de um exercício ainda em curso, não houve qualquer pedido por parte do Tesouro Nacional para pagamentos referentes a este ano. Se houvesse antecipações do lucro de 2017, elas teriam que ser pagas na modalidade de JCP, disse Vânia.

“Até o momento não houve qualquer tipo de pedido do Tesouro Nacional”, disse Vânia.

Nas gestões do BNDES sob os governos do PT, o pagamento de dividendos do banco de fomento, inclusive antecipações do exercício em curso, foram uma fonte relevante de receita para efeito de cálculo do resultado primário do setor público.