Conselho de Administração da Nissan não chega a acordo para definir substituto de Ghosn

  • Por Jovem Pan
  • 17/12/2018 10h36
EFECarlos Ghosn segue detido desde 19 de novembro, no Japão, por fraude fiscal

O Conselho de Administração da Nissan não conseguiu eleger um novo presidente para substituir Carlos Ghosn, que segue detido desde 19 de novembro, no Japão, por fraude fiscal.

O anúncio foi feito nesta segunda-feira (17) pela montadora. “O conselho aponta a continuação das discussões” do comitê de três membros encarregados de propor um nome “e reafirmou seus esforços para informar plenamente seus sócios da aliança, Renault e Mitsubishi Motors.

O Conselho de Administração foi convocado pela Nissan com o objetivo de nomear um substituto ao nome do brasileiro. A montadora também é acusada no caso como pessoa jurídica e recebeu uma carta da Renault para convocação de assembleia geral de acionistas.

“A Nissan continua seus esforços para manter seus parceiros da Aliança totalmente informados. Hoje, na reunião do conselho da Mitsubishi Motors, a Nissan apresentou um resumo completo da conduta do ex-presidente e diretor representante da Nissan. A Nissan reafirma hoje à Renault a sua disponibilidade a qualquer momento para fornecer uma informação completa numa reunião do conselho da Renault, a fim de manter um entendimento igual entre os parceiros da Aliança”, diz outro trecho do comunicado.

O caso

Ghosn é suspeito de cometer irregularidades na declaração de lucros. Nas declarações, ele afirmou ter recebido menos do que realmente ocorreu. O executivo reduziu os ganhos em 33%.

De acordo com a Promotoria de Justiça de Tóquio, a remuneração de Ghosn totalizou quase 1,1 bilhão de ienes, ou cerca de US$ 9,7 milhões de dólares, no ano fiscal de 2016. Porém, para o ano fiscal de 2017, o executivo relatou um total de 730 milhões de ienes – queda de 33%.

Ghosn foi diretor da montadora em 1999, entre 2001 e 2017 foi presidente da Nissan e deixou o cargo para cuidar das parcerias com Renault e Mitsubishi. Apesar disso, continuou como presidente do Conselho na Nissan. Ghosn também é executivo-chefe da Renault na França.