Diário Oficial traz orçamento aprovado do FGTS para 2018

  • Por Estadão Conteúdo
  • 03/11/2017 11h04
Fotos Públicas Entidades de defesa do consumidor se dizem preocupadas com as mudanças no cadastro positivo, mas o comércio comemora. Na semana passada, o texto-base do projeto que muda as regras foi aprovado pela Câmara. O cadastro positivo é um banco de dados que existe desde 2011 e relaciona os clientes que são considerados bons pagadores. Até então, o consumidor precisava pedir pra ter o nome incluído, mas agora, todos que estiverem com as contas em dia entram na lista automaticamente. Quem não quiser, terá que entrar em contato com as instituições financeiras e solicitar a exclusão. Segundo Paulo Miguel, diretor-executivo da Fundação Procon de São Paulo, não há garantias de que os dados do consumidor estarão protegidos. O deputado Walter Ioshi, que foi o relator do projeto na Câmara, rebate e garante que não haverá violações. A aprovação do novo cadastro positivo agradou as empresas de crédito e os varejistas. O presidente da Associação Comercial de São Paulo, Alencar Burti, diz que é uma vitória do consumidor que mantém as contas em dia. Apesar da aprovação, os destaques do texto ainda serão apreciados pelo plenário da Câmara nesta semana. Depois, o texto segue para uma nova análise do Senado, de onde veio a matéria original. Segundo o orçamento operacional aprovado para o FGTS, serão destinados em 2018 um total de R$ 85,517 bilhões

O Diário Oficial da União desta sexta-feira (3), publica resolução do Conselho Curador do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), que aprova os orçamentos financeiro, operacional e econômico do FGTS para o exercício de 2018 e o orçamento plurianual de aplicação para o período de 2019-2021. O orçamento já tinha sido aprovado em 24 de outubro pelo onselho curador.

Segundo o orçamento operacional aprovado para o FGTS, serão destinados em 2018 um total de R$ 85,517 bilhões. Desses, R$ 69,470 bilhões serão para habitação, sendo R$ 62 bilhões somente para habitação popular. Outros R$ 6,867 bilhões serão investidos em saneamento básico e R$ 8,680 bilhões em infraestrutura urbana

Para 2019, 2020 e 2021, foram aprovadas previsões orçamentárias de R$ 81,5 bilhões, R$ 81,5 bilhões e R$ 81 bilhões, respectivamente.