Dólar recua para R$ 4,60 com expectativa de novas sanções à Rússia; Bolsa cai

EUA e líderes da Europa ameaçam aumento dos embargos após sinais de crimes de guerra cometidos por tropas do Kremlin durante a invasão à Ucrânia

  • Por Jovem Pan
  • 04/04/2022 12h04 - Atualizado em 04/04/2022 12h11
ITACI BATISTA/ESTADÃO CONTEÚDO Cédulas de dólar e real espalhadas Dólar recua após Campos Neto comentar sobre inflação acima do esperado em março

Dólar e Ibovespa operam em queda nesta segunda-feira, 4, refletindo o clima de cautela internacional com a expectativa de novas sanções à Rússia após uma série de acusações de crimes de guerra cometidos na Ucrânia. No cenário interno, investidores acompanham a greve de servidores do Banco Central (BC) e as negociações para a retomada das atividades. A paralisação dos funcionários já impacta na suspensão de divulgação de dados da entidade, como o Boletim Focus. Por volta das 11h55, o dólar operava com queda de 1,05%, a R$ 4,618. O câmbio chegou na mínima de R$ 4,606, enquanto a máxima não passou de R$ 4,675. A divisa norte-americana alarga a desvalorização ante o real após fechar com queda de 2%, a R$ 4,667. O Ibovespa, referência da Bolsa de Valores brasileira, registrava recuo de 0,5%, aos 121.000 pontos. O pregão de sexta-feira, 1º, fechou com avanço de 1,3%, a 121.570 pontos.

Os Estados Unidos e os aliados da Europa voltaram a ameaçar o governo de Vladimir Putin de novos embargos após os indícios de que as tropas russas cometeram crimes de guerra na cidade de Bucha, nos arredores da capital Kiev, durante a invasão da Ucrânia. Imagens e relatos apontam para a execução de civis e a criação de covas coletivas. A Rússia rejeita todas as acusações e afirma que os vídeos divulgados durante o fim de semana foram falsificados. O temor de novos embargos à exportação russa levou ao novo aumento da cotação do petróleo. O barril do tipo Brent, usado como referência na maior parte do mundo, registrava avanço de 3,2%, aos US$ 107. Já o WTI, base do mercado norte-americano, subia 3,8%, a US$ 103.

No noticiário local, os servidores do BC mantém a paralisação inciada na última sexta-feira, 1º, em meio à falta de entendimento nas negociações. Segundo o Sindicato Nacional dos Funcionários do Banco Central (Sinal), um novo encontro deve ser realizado nesta terça-feira, 5. A paralisação já afeta serviços da autarquia. Nesta manhã, o BC informou que não vai divulgar o Boletim Focus, a pesquisa semanal com mais de uma centena de instituições sobre os rumos da economia. Também foram suspensas a publicação de dados até sexta-feira, 8.