Emprego com carteira assinada cresce no setor de turismo

Pesquisa da USP aponta que cidades com atividades expressivas no lazer estão liderando a retomada do setor

  • Por Jovem Pan
  • 11/10/2021 09h54 - Atualizado em 11/10/2021 12h57
Pedro Ventura/Agência BrasíliaVacinação e flexibilização de regras de distanciamento e isolamento têm permitido novas contratações formais e retomada do turismo

O aumento de empregos formais, com carteira assinada, reaquece um dos setores mais afetados pela pandemia do coronavírus, o turismo. Uma pesquisa da Universidade São Paulo (USP) revela que há uma clara recuperação dos empregos formais. O mês de agosto registrou elevação de 10,8% em relação a julho. De acordo com a pesquisadora Mariana Aldrigui a alta está diretamente relacionada à vacinação e à flexibilização. Ela acrescenta que o empresariado demonstra otimismo quanto ao futuro. “O resultado começa a aparecer melhor nos destinos do Nordeste, onde a gente vê o turismo de lazer consolidado já desde o início do ano, mas as perspectivas das férias do final do ano, junto dos feriados, estão estimulando empresários a contratar”, afirma. Nas capitais voltadas ao turismo de negócios, a retomada é mais lenta do que aquelas focadas no lazer. “Já nas capitais onde a gente tem fundamentalmente o turismo de negócios, o ritmo da contratação é mais lento do que nas capitais onde há a combinação entre negócios e lazer”, explica Mariana.

Após um longo período, o proprietário de uma agência de viagens, José Roberto Trinca voltará a contratar contando com a liberação de vários destinos mundo afora. Ele pretende admitir mais duas pessoas em seu quadro de funcionários. Este momento mostra um novo retrato do turismo. “Há muitos anúncios do nosso setor de turismo procurando novos profissionais, retomando os que foram demitidos, muita gente dando oportunidade para as pessoas voltarem a trabalhar nas empresas onde já atuavam”, afirma Trinca. Os números refletem o panorama no saldo de empregos. Salvador é dono do melhor resultado, com variação positiva de 137%; Recife vem na sequência, com 47%. Na outra ponta, Goiânia apresentou índice negativo de 11%; e Curitiba – 12%, segundo a USP. Mariana Aldrigui prevê crescimento até pelo menos o Carnaval de 2022. Depois disso, será um bom termômetro para verificar se o turismo de negócios retornará a plena atividade.

*Com informações do repórter Daniel Lian