Expansão dos serviços em julho foi a mais fraca em quatro meses, aponta S&P Global

Indicador recuou de 60,8 pontos em junho para 55,8 pontos em julho, mas ainda no campo do crescimento da atividade

  • Por Jovem Pan
  • 03/08/2022 12h19
Saulo Angelo/Futura Press/Estadão Conteúdo FLEXIBILIZAÇÃO-QUARENTENA-ABERTURA-BARES-RESTAURANTES - GERAL Setor de restaurantes é um dos mais representativos dos serviços

O setor de serviços do Brasil teve uma expansão mais fraca no mês de julho, comparado ao recorde observado em junho, de acordo com o Índice de Gerentes de Compras (PMI, na sigla em inglês), divulgado pela S&P Global nesta quarta, 3. O setor teve a marca de 55,8 pontos em julho, abaixo dos 60,8 de junho – números acima de 50 indicam expansão, e abaixo de 50, retração. O crescimento foi o pior desde fevereiro. “Evidências subjetivas sugeriram que a atividade de negócios foi fundamentada pela recuperação da economia, maiores bases de clientes e demanda favorável. O desempenho do setor de serviços do Brasil permaneceu positivo em julho. Apesar dos aumentos mais modestos na atividade de negócios e nas vendas, as taxas de expansão foram muito mais altas do que suas médias de longo prazo em meio à demanda subjacente robust”, afirma Pollyana de Lima, diretora associada de Economia da S&P Global Market Intelligence, em comentário no relatório.

“Ainda assim, houve algumas sugestões de que as pressões inflacionárias tenham amortecido o crescimento das vendas. Embora os preços dos insumos tenham aumentado à taxa mais baixa em cinco meses, em parte devido a cortes dos impostos sobre combustíveis, a recuperação foi historicamente acentuada. Ao mesmo tempo, a inflação dos preços atingiu o nível mais baixo desde abril. As taxas de aumento da produção se atenuaram tanto nos fabricantes de produtos como nos prestadores de serviços. O Índice de novos pedidos efetuados a empresas brasileiras do setor privado subiu pelo décimo quinto mês consecutivo em julho. A taxa de aumento diminuiu para o patamar mais baixo em cinco meses, embora tenha permanecido acentuada. As empresas de serviços lideraram a recuperação, apesar de uma desaceleração notável no crescimento”, completa Lima.  Em relação ao emprego, os prestadores de serviço registraram uma recuperação mais moderada no nível de contratações.