Lula diz que sistema financeiro quer especular e que decisão do Copom foi ‘sem critério’

‘É por isso que a taxa de juros fica a 10,5% sem nenhuma explicação, sem nenhum critério’, complementou presidente em entrevista na quinta (20)

  • 21/06/2024 12h01 - Atualizado em 21/06/2024 12h13
Foto: Ricardo Stuckert / PR 20.06.2024 - Cerimônia de anúncios de investimentos para as instituições federais de educação do Ceará 20.06.2024 - Presidente chegou a dizer que não está preocupado com pesquisas de opinião

O presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, voltou a criticar, nesta sexta-feira (21), a decisão do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central, de manter a taxa básica de juros, a Selic, no patamar de 10,50%, ao dizer que a medida ocorreu “sem critério”. Em entrevista, Lula fazia comparações do seu mandato com o do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) e sustentou que o atual governo realiza mais investimentos que o antecessor. O presidente chegou a dizer que não está preocupado com pesquisas de opinião. Em seguida, o presidente mencionou a decisão do Banco Central e criticou o sistema financeiro brasileiro. “Temos consciência de que as coisas estão acontecendo”, disse Lula, em defesa das ações do seu governo. “A Caixa Econômica e o Banco do Brasil, sozinhos, têm mais créditos disponibilizados hoje do que os outros três bancos grandes. Por que isso? Porque o sistema financeiro brasileiro não está preocupado em fazer investimento na produção, no setor produtivo.” Lula acrescentou: “Ele (o sistema financeiro brasileiro) está interessado em especular. É por isso que a taxa de juros fica a 10,5% sem nenhuma explicação, sem nenhum critério.” Na quinta-feira (20), Lula já havia dito que a decisão do Banco Central “foi uma pena” e que “quem perde é o povo brasileiro”.

cta_logo_jp
Siga o canal da Jovem Pan News e receba as principais notícias no seu WhatsApp!

Depois de sete quedas seguidas, o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central interrompeu, em decisão unânime, o ciclo de cortes da taxa básica de juros, iniciado em agosto do ano passado, e manteve a Selic em 10,50% ao ano. O resultado, divulgado na quarta-feira, 19, era amplamente esperado pelo mercado, em meio ao impasse do governo na condução da política fiscal e ao aumento das expectativas de inflação. Mais do que o resultado, a grande expectativa dos agentes econômicos era sobre o placar da decisão, sobretudo após Lula ter retomado a ofensiva contra o BC e o presidente da instituição, Roberto Campos Neto. A votação unânime agrada o mercado, depois da forte divisão da reunião de maio. Ao comunicar a decisão de interromper as quedas nos juros, o Copom declarou que os juros terão de continuar em nível restritivo “por tempo suficiente em patamar que consolide não apenas o processo de desinflação, como também a ancoragem das expectativas em torno de suas metas”. O comitê também pregou “serenidade e moderação na condução da política monetária”. A decisão ocorreu de forma unânime.

Publicado por Heverton Nascimento

*Com informações de Estadão Conteúdo

Comentários

Conteúdo para assinantes. Assine JP Premium.