Para Mansueto, déficit do setor público poderá ficar R$ 25 bi abaixo da meta

  • Por Estadão Conteúdo
  • 07/08/2018 17h52 - Atualizado em 07/08/2018 18h01
Marcello Casal Jr/Agência BrasilGoverno Central tem uma sobra de R$ 12,7 bilhões referente ao limite de gastos que não vem sendo utilizado pelos ministérios

O secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida, disse nesta terça-feira, 7, que o déficit primário do setor público – que, além do governo federal, inclui estatais, Estados e municípios – poderá fechar 2018 com um saldo em torno de R$ 25 bilhões abaixo da meta fixada ao exercício: R$ 161,3 bilhões.

“Se você juntar empoçamento de liquidez com o resultado das estatais e o resultado de estados e municípios, estamos falando em resultado fiscal que pode ser R$ 25 bilhões melhor do que a meta”, disse o secretário em entrevista concedida a jornalistas após abrir congresso promovido pela Associação dos Analistas e Profissionais de Investimento do Mercado de Capitais (Apimec).

Segundo Mansueto, é “bem provável” que as estatais entreguem superávit para as contas públicas, ao invés do déficit de R$ 163 milhões previsto no último relatório de programação orçamentária “Com o resultado que estamos tendo de Petrobras e outras estatais, possivelmente o número vai melhorar ainda mais.”

Já do lado dos Estados e municípios, o superávit pode alcançar R$ 10 bilhões, acima do saldo positivo de R$ 1,2 bilhão previsto atualmente.

Em paralelo, o secretário informou que o Governo Central tem uma sobra de R$ 12,7 bilhões referente ao limite de gastos que não vem sendo utilizado pelos ministérios. “Colocamos na programação que isso será gasto. Mas se não for gasto, representará uma melhora de R$ 12,7 bilhões em relação à meta”, comentou Mansueto.