Tereza Cristina diz que já está discutindo Plano Safra com Economia

‘Entendemos o temor de bancos com pandemia, mas precisamos garantir o financiamento do setor agrícola’, disse a ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

  • Por Jovem Pan
  • 05/04/2020 13h37 - Atualizado em 05/04/2020 13h39
A ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina, participa do o 14º Encontro de Previsão de Safra. Fábio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

A ministra da Agricultura, Tereza Cristina, disse que está discutindo a antecipação do Plano Safra com o Ministério da Economia, em virtude do possível cenário de restrição de crédito pelos bancos privados devido à pandemia do coronavírus.

“Estamos tentando antecipar o Plano Safra para dar um horizonte ao produtor que precisa tomar crédito. Embora sabemos que o Plano garante apenas 40% dos recursos necessários para financiamento da safra”, afirmou Tereza Cristina neste domingo (5), em um webinar transmitido pela plataforma AgroSaber.

Tradicionalmente, o Plano Safra – maior política de crédito governamental para financiamento do agronegócio – é divulgado no fim de maio e início de junho. O plano trata dos recursos de subsídio federal para serem utilizados no próximo ciclo agrícola (de 1º de julho do ano vigente a 30 de junho do próximo ano).

Na videoconferência, Tereza Cristina foi questionada pelo ex-ministro da Agricultura e sócio da trading de grãos Amaggi, Blairo Maggi, sobre o receio de produtores quanto à restrição de crédito pelos bancos privados como medida de cautela em meio à pandemia do coronavírus.

Ela disse que o Ministério da Agricultura está conversando com o Banco Central sobre a oferta de crédito e a garantia da normalidade das operações das instituições financeiras privadas.

“Converso constantemente com presidente do BC, Roberto Campos Neto, sobre isso. É a nossa maior preocupação no momento. Entendemos o temor de bancos com pandemia, mas precisamos garantir o financiamento do setor agrícola”, disse a ministra.

Ela acrescentou que o financiamento da próxima safra 2020/21 será fundamental pois o País terá oportunidade de entrar na rota de fornecimento de alimentos para vários países, já que outros importantes produtores devem ter dificuldade de produção em função da crise. “É uma excelente oportunidade para o setor”, acrescentou.

*Com informações do Estadão Conteúdo