Especialista comenta economia mundial e critica decisão do Banco Central

  • Por Jovem Pan
  • 03/01/2014 10h38

Em entrevista exclusiva à JOVEM PAN, o economista, consultor e ex-diretor da área internacional do Banco Central Alexandre Schwartsman comentou aspectos da economia internacional, a pressão sobre o dólar e a piora acentuada do saldo comercial brasileiro.

“Vai ser um ano mais difícil. Essa tendência de piora de balança continua valendo. Os mesmos fenômenos que estão por trás do que piorou o ano passado ainda estão em operação este ano”, ressaltou Schwartsman.

Com a mudança de cenário internacional, o Banco Central brasileiro reduziu o volume de contratos que está colocando no mercado. Usada também no ano passado, essa atitude veio como um instrumento para evitar um avanço maior na cotação.

“A justificativa do Banco Central é que ele quer evitar volatilidade na caixa de câmbio, mas acho que essa é uma tremenda ‘história para boi dormir’, o que o BC não quer é que o dólar suba porque ele já está com uma situação complicada do ponto de vista de inflação”, afirma o especialista.

Entretanto, Schwartsman analisa que apesar dos esforços do Banco Central, o aumento do dólar será um reflexo da piora das contas externas do país e das condições de financiamento. “Se você quer controlar a inflação, controle, mas use outros meios. Existem outros meios para isso, mas o BC não pode usar, porque tem uma campanha eleitoral em curso e já avisou que não vai subir juros neste ano”, complementa o economista.

No áudio, a entrevista completa com a opinião de Alexandre Schwartsman sobre o Brasil e o cenário internacional na economia.