Editor do “Charlie Hebdo” critica crise hídrica de SP em charge

  • Por Jovem Pan
  • 29/07/2015 11h49
SÃO PAULO,SP,04.07.2015:10º CONGRESSO INTERNACIONAL DE JORNALISMO INVESTIGATIVO - Participação do jornalista Laurent Sorriseu, o RISS, diretor do jornal Francês Charlie Hebdo, durante o 10º Congresso Internacional de Jornalismo Investigativo, organizado pela ABRAJI (Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo), no campus da Universidade Anhembi Morumbi, na manhã deste sábado (04). (Foto: Paulo Lopes/Futura Press/Folhapress)Laurent "Riss" Sourisseau em São Paulo no começo do mês

Laurent Sourisseau, conhecido como Riss, editor do semanário humorístico francês atacado por terroristas em janeiro, Charlie Hebdo, esteve no Brasil em julho, inclusive dando entrevista ao programa Roda Viva, da TV Cultura. Riss veio ao País a convite da Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji).

Em sua passagem por São Paulo, o francês deve ter sofrido com a falta de água e não poupou ironia ao criticar a crise hídrica que há mais de ano afeta a vida do paulista. A charge (veja abaixo) foi publicana na mais recente bersão do semanário.

Segundo o jornal O Dia, Riss lembra que a capital paulista é cortada por diversos rios, mas que estão polúídos, chamando o Tietê e outros de “esgoto a céu aberto” e “águas tóxicas”.

O Charlie Hebdo cita também a Sabesp (Companhia de Saneamento Básico do Estado), destacando que, apesar de a companhia paulista ter ações na bolsa de Nova Iorque, não conseguiu investir para prevenir a falta de água.

Riss criticou ainda a desigualdade na interrupção de água, que ocorre por algumas horas em bairros de classe média e “nas favelas os cortes se contam em dias”, destaca o jornal O Estado de São Paulo.