Editor que trabalha em livro sobre Xi Jinping está detido na China

  • Por Agencia EFE
  • 21/01/2014 03h06

Pequim, 21 jan (EFE).- O editor de Hong Kong, Yao Wentian, que trabalha em um livro de um dissidente sobre o presidente da China, Xi Jinping, está detido na República Popular há três meses.

Segundo uma denúncia apresentada nesta terça-feira pelo jornal independente de Hong Kong “South China Morning Post”, Yao, da editora “Morning Bell Press”, foi colocado sob custódia no dia 27 de outubro após ser “atraído” com um falso pretexto à cidade chinesa de Shenzhen, vizinha da ex-colônia britânica.

O jornal, que cita uma pessoa que conversou com a esposa de Yao, afirma que o editor foi formalmente detido em novembro.

Até o momento, a polícia não divulgou as acusações contra ele, mas a publicação cogita que Yao pode ser indiciado por contrabando e evasão de tarifas de importação.

No momento de sua prisão, Yao, de 73 anos, se encontrava em negociações com o autor Yu Jie, que vive nos EUA, sobre a publicação de um livro sobre o presidente da China, com o título “O poderoso chefão chinês Xi Jinping”.

Yu é autor de outro livro, “O melhor ator da China: Wen Jiabao”, sobre o ex-primeiro-ministro chinês. O jornal “New York Times” publicou uma vez que a família de Jiabao acumulou bens no valor de US$ 2,7 bilhões durante seu período no poder (2003-2013).

Esse volume está proibido na China desde a sua publicação original, em 2010.

Em seu perfil no Facebook, Yu escreveu na segunda-feira que terminou o primeiro esboço do livro sobre Xi, cuja publicação está prevista para abril.

Também garantiu que no momento da detenção, ele e Yao estavam em negociações para reeditar seu volume de ensaios políticos “Fogo e Gelo”.

“Tínhamos acabado a edição e estávamos a ponto de imprimir quando (Yao) de repente desapareceu”, explicou o autor. “Acho que seu envolvimento com meu livro sobre Xi é a principal razão de sua detenção”, acrescentou.

Fontes que falaram com a esposa de Yao, segundo o “South China Morning Post”, alertaram que o editor, que se encontra retido em um hospital, sofre de problemas cardíacos e desmaiou várias vezes durante sua detenção. EFE