EFE: presente e futuro na era digital, expansão e novos produtos

  • Por Agencia EFE
  • 03/01/2014 16h39

Madri, 3 jan (EFE).- Maior agência de notícias em espanhol e a quarta maior em nível global, a Agência EFE, 75 anos após seu nascimento, encara o presente preparada para os grandes desafios tecnológicos e olha o futuro com renovados planos de expansão no mundo.

A EFE é hoje uma empresa informativa multimídia, reconhecida por sua credibilidade e rigor. Conta com a colaboração de mais de 3 mil profissionais de 60 nacionalidades, que trabalham 24 horas por dia em 181 cidades de 120 países.

A agência é multilíngue: trabalha em Espanhol, editando nas mesas de Madri e Bogotá; em Inglês, de Miami com o apoio das demais delegações nos Estados Unidos; em Português, do Rio de Janeiro; em árabe, do Cairo; e em Catalão e Galego, a partir das respectivas mesas de Catalunha e Galícia.

Na Espanha, conta com delegações nas capitais das 17 comunidades autônomas, além de Ceuta e Melilla, e subdelegações em muitas outras cidades espanholas, e tem presença em toda a América e nas principais capitais do mundo.

“Nada que seja relevante fica fora das notícias da EFE”, afirma o presidente da Agência, José Antonio Vera, que se mostra orgulhoso em fazer parte de “uma equipe ganhadora e de ponta em sua atividade em países de língua espanhola, e que é capaz de abordar as tarefas informativas mais complexas com um selo de qualidade que credencia esta casa há anos”.

“Uma notícia não é notícia até que seja dada pela EFE”, declara Vera.

As fitas perfuradas e o velho telex que permitiram, no começo, que as notícias chegassem aos assinantes, deram lugar às modernas tecnologias digitais que asseguram que as informações elaboradas em todos os formatos multimídia, cheguem imediatamente aos mais de 2.500 assinantes da EFE nos cinco continentes.

“Tudo mudou muito, mas na EFE temos a honra de manter intacto o rigor com o qual trabalhamos sempre. Nossa grande regra é: chegar primeiro, mas sempre com informações comprovadas e precisas”, assegura a diretora de Redação da EFE, María Luisa Azpiazu.

Na opinião do presidente da Agência, o que hoje define a EFE é “seu potencial vindouro, pelas mãos da inovação tecnológica e da expansão da língua espanhola no mundo”.

A Agência já lançou novos produtos pensados para atender as demandas de hoje e do amanhã, como a agenda mundial digital, o canal EFE e os novos produtos Euroefe, Efeverde, Efesalud, Efeestilo, Efeempresas e Efeescuela.

Mas o trabalho não termina por aí. Com a dedicação que sempre marcou a EFE, continuam sendo desenvolvidos projetos para que a Agência se adapte ao mundo atual tanto em infraestrutura quanto em tecnologia.

Por isso, a EFE celebra seu 75º aniversário estreando uma nova sede na Avenida de Burgos, em Madri. Trata-se de um edifício adaptado ao futuro e que conta com os mais modernos padrões tecnológicos que permitirão que a Agência siga liderando tecnologicamente a nova era digital na qual já está imersa.

Está se fortalecendo, além disso, a presença da EFE na América com serviços nacionais de informação. Além disso, “em um futuro não distante”, espera-se contar com uma mesa de edição em Inglês para o continente asiático.

“Com este novo cenário digital, a EFE deve competir com seu extremo rigor e fomentando uma informação mais exclusiva e diferenciada”, aposta Vera.

Tudo isso acentuando ao profissionalismo e seriedade para continuar transmitindo à sociedade que “a informação da EFE é confiável e contrastada, elaborada com rapidez e agilidade, mas sempre sob o selo de qualidade adquirido por esta Agência ao longo de seus 75 anos de história”.

Como instituição, a EFE também não se esquece de sua responsabilidade social corporativa. Prova disso é a Escola de Formação – com 250 estudantes em práticas ou com bolsas de estudos – e a Fundação do Espanhol Urgente (Fundéu), instituição patrocinada pela Efe e Banco Bilbao Vizcaya Argentaria (BBVA) que ajuda o bom uso do Espanhol nos veículos de comunicação.

“Hoje, mais do que nunca, é necessário defender e fortalecer o Espanhol. É uma questão prioritária, pois sua posição na Rede como segunda língua universal será determinante para o desenvolvimento de todos aqueles que se expressam e trabalham neste idioma”, opina o diretor-geral de Fundéu BBVA, Joaquín Müller, que acredita que a Agência EFE foi, nesse sentido, “um exemplo a ser copiado”.

Assim enfrenta o presente e encara o futuro a Agência EFE, cujo objetivo não é outro que não o de seguir sendo líder na nova era digital. EFE

rbf/cdr