Em Pernambuco e Alagoas, chuvas desalojam 38,5 mil

  • Por Estadão Conteúdo
  • 30/05/2017 10h04
PE - ENCHENTE/PALMARES - GERAL - O município de Palmares, em Pernambuco, está em estado de alarme em consequência das chuvas. Alguns moradores das áreas ribeirinhas do bairro São Sebastião foram conduzidos para abrigos temporários devido ao aumento do nível do Rio Una. 29/05/2017 - Foto: CARLOS EZEQUIEL VANNONI/ELEVEN/ESTADÃO CONTEÚDOEnchente em Pernambuco - AE

As chuvas que atingem os Estados de Pernambuco e Alagoas desde o fim da semana passada deixaram até ontem 38,9 mil pessoas desabrigadas ou desalojadas, com efeitos mais fortes nas cidades pernambucanas, que concentraram 90% das pessoas que tiveram de deixar as suas casas em razão das inundações. Cinco pessoas morreram em municípios alagoanos e outras duas em Pernambuco. A situação levou os governadores a decretarem situação de emergência ou calamidade em um total de 40 cidades.

Na cidade pernambucana de Palmares, onde a precipitação chegou a 192 milímetros nas últimas 48 horas, a população está assustada: 17 mil dos 65 mil moradores tiveram de sair dos imóveis onde residem por causa das enchentes e dos deslizamentos. Três escolas estão funcionando como abrigos. 

De acordo com informações da prefeitura local, a zona rural foi tão atingida quanto a urbana. Há comprometimento de estradas e pelo menos cinco pontes de pequeno e médio porte foram arrastadas pelas águas. Também houve deslizamento de barreiras na zona rural. Existem famílias desabrigadas e desalojadas. 

Uma inundação atingiu um supermercado, que descartou alimentos na rua. Os produtos acabaram disputados entre os moradores. 

De acordo com o governo pernambucano, em cada um dos 14 municípios em estado de calamidade será montado um gabinete com representantes da Defesa Civil e do Corpo de Bombeiros. Anteontem, o presidente Michel Temer sobrevoou as áreas afetadas pelas chuvas e autorizou um empréstimo de R$ 600 milhões do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para concluir quatro represas, cuja construção foi anunciada em 2010, quando um outro temporal atingiu o Estado.

Alagoas

Na região metropolitana de Maceió, a chuva diminuiu ontem, favorecendo os trabalhos de buscas. Os bombeiros encontraram ontem o corpo de Romário Alves, de 23 anos, a quinta vítima dos temporais – três pessoas continuam desaparecidas, entre elas um bebê de 6 meses. Todos os óbitos aconteceram na capital. 

Ao todo, 26 municípios alagoanos foram afetados pelas chuvas e tiveram estado de emergência decretado pelo governador de Alagoas, Renan Filho (PMDB). Já são 1.655 famílias desabrigadas e 2.397 desalojadas. “Tem ainda as 750 famílias realocadas só em Marechal Deodoro, onde médicos e enfermeiros retornaram a cidade para oferecer o auxílio de saúde a população”, informou o governo do Estado.

Ontem, a Defesa Civil de Marechal Deodoro, município distante 24 quilômetros de Maceió, ainda retirava moradores das áreas de risco. Banhada pela Lagoa Manguaba, cujo nível da água subiu cerca de 2 metros, a cidade foi uma das mais afetadas. Além dessas localidades, há pessoas desabrigadas nos municípios de Pilar e Rio Largo, ambas na Grande Maceió.

Rio Grande do Sul

Mais de 200 famílias estão desabrigadas ou desalojadas por causa das fortes chuvas que atingem o Rio Grande do Sul. Municípios localizados nas regiões norte, noroeste e oeste são os mais afetados pelas enchentes. Os municípios de Campo Novo, Três Passos, Coronel Bicaco, Tiradentes do Sul, Tenente Portela, Santo Augusto e Cristal declararam emergência.