Em termos de fundamentos, impacto do Brexit no curto prazo é limitado, diz BC

  • Por Estadão Conteúdo
  • 24/06/2016 13h53
Sede do Banco Central, em Brasília. 15/01/2015 REUTERS/Ueslei MarcelinoSede do Banco Central

O chefe do Departamento Econômico do Banco Central, Tulio Maciel, avaliou, nesta sexta-feira (24), que, em termos de fundamentos, o impacto do Brexit, no curto prazo, é muito limitado no Brasil. O analista salientou que mudanças são graduais nesse processo de saída do Reino Unido da União Europeia e que o fluxo de comércio britânico com o Brasil é de 1,5%. 

“Os impactos são limitados”, pondera, citando que, “em termos de mercados, claro que a saída agrega incertezas no curto prazo. No cenário interno, já observamos oscilações depois do resultado”.

Maciel ressaltou que o BC já divulgou nota, mas disse que cabia reiterar que a instituição está preparada para situações dessa natureza. 

O economista citou que o regime de câmbio flutuante tem se mostrado “exitoso”, além de observar que o mercado financeiro do País é robusto, com indicadores de liquidez bastante positivos, com o nível de reserva internacionais no Brasil estando superior a US$ 350 bilhões (na realidade, está acima de US$ 370 bilhões) e que há baixa exposição ao exterior em termos financeiros, “isso tudo contribui para que o Brasil, nesse momento, possa enfrentar essa situação”, otimizou.