Embate entre São Paulo e Rio de Janeiro por uso de água chega ao quinto mês

  • Por Jovem Pan
  • 15/08/2014 11h58

Mapa de 2005 mostra que o Rio Paraíba do Sul passa pelos dois estadosBacia Leste

Agência Nacional de Águas afirma que não tomará sozinha decisão sobre a disputa entre São Paulo e Rio de Janeiro. Após cinco meses de embate, os governos exigem uma solução para a crise envolvendo os mananciais que abastecem os dois estados.

Geraldo Alckmin e Luiz Fernando Pezão aguardam posicionamento do órgão gestor dos recursos hídricos sobre a utilização do Rio Paraíba do Sul.

Em entrevista a Marcelo Mattos, o diretor da Agência Nacional de Águas, Sérgio Soares, descarta palavra final sobre a questão. Soares vê a resolução como algo que “envolve os estados, os comitês de bacias que contam com a participação tanto do governo quanto dos setores usuários quanto da própria sociedade”.

O Operador Nacional do Sistema Elétrico determinou à CESP (Companhia Energética de São Paulo) o aumento da vazão no Rio Jaguari, em São José dos Campos.

O maior volume ao Rio Paraíba do Sul alimentaria a hidrelétrica da Light, que abastece energia para 15 milhões de pessoas. Mas o governo paulista justifica que a lei federal assegura o uso prioritário humano e o abastecimento na Grande São Paulo.

A professora da POLI da USP, Mônica Ferreira, descarta que a situação seja reflexo da ausência de planejamento (ouça detalhes no áudio acima). O governo fluminense ressalta que o Rio Jaguari está submetido à legislação federal e os estados são obrigados a seguir.

A represa Jaguari é a mesma em disputa para transposição à represa Atibainha, do Sistema Cantareira, que abriu a crise com o Rio de Janeiro.