Epidemiologista brasileiro Ciro de Quadros morre aos 74 anos

  • Por Agencia EFE
  • 29/05/2014 17h37

Madri, 29 mai (EFE).- O epidemiologista brasileiro Ciro de Quadros, um dos cientistas pioneiros na erradicação da varíola no mundo todo e na eliminação da pólio e do sarampo na América, morreu aos 74 anos, informou nesta quinta-feira a Fundação espanhola BBVA.

Quadros (Rio Pardo, Brasil, 1940), que morreu na quarta-feira em Washington DC (EUA), foi reconhecido em 2011 com o prêmio Fundação BBVA Fronteiras do Conhecimento, na categoria de Cooperação ao Desenvolvimento, por seus sucessos na luta contra estas doenças infecciosas, “uma das principais conquistas da medicina”.

Este médico, que se formou no Brasil, começou sua trajetória na saúde pública na Amazônia, onde se propôs conseguir 100% de taxa de vacinação entre a população, segundo assinalou a Fundação BBVA em comunicado.

Sua trajetória o levou a trabalhar na África para a Organização Mundial da Saúde (OMS) na erradicação da varíola e mais tarde na Organização Pan-Americana da Saúde, onde foi responsável pela eliminação da pólio e do sarampo na América, e, desde 2003, trabalhava como vice-presidente executivo no Sabine Vaccine Institute, com sede em Washington.

“O que se sente ao contribuir para erradicar uma doença que causou milhões de mortes é indescritível. Se tem a sensação do dever cumprido e anima a continuar trabalhando para melhorar a saúde global”, declarou em 2012 ao receber o prêmio da Fundação BBVA.

“O século XXI será conhecido como o século das vacinas. Às muitas que já temos é preciso somar as que estão sendo pesquisadas como, por exemplo, contra o câncer de estômago ou de fígado. Há doenças que consideramos crônicas ou degenerativas e que começamos a descobrir que se devem a agentes infecciosos contra os quais podem ser criadas vacinas”, assegurava o médico. EFE