Especialista diz que são “inevitáveis” mais casos de ebola na Europa

  • Por Agencia EFE
  • 09/10/2014 06h12

Londres, 9 out (EFE).- O professor belga de microbiologia Peter Piot, membro da equipe internacional que em 1976 descobriu o vírus do ebola, disse nesta quinta-feira que é “inevitável” o surto de mais casos na Europa e advertiu que as pessoas devem estar preparadas.

Em entrevista à emissora “BBC”, o professor da Escola de Higiene e Medicina Tropical de Londres afirmou, no entanto, que não acredita que haja uma epidemia na Europa, mas que possa haver casos isolados entre as pessoas que viajaram à África Ocidental para ajudar as pessoas afetadas pelo vírus.

“Vamos ver outros casos na Europa, isto é inevitável. As pessoas viajam, voltam, e acabam infectadas na África Ocidental. Portanto, precisamos estar preparados para mais casos aqui”, ressaltou o professor.

“Não estou preocupado a respeito de um surto na Europa Ocidental, no Reino Unido, como o que estamos vendo em África Ocidental”, declarou.

Segundo ele, o maior risco é entre as pessoas que trabalham com saúde, como “as enfermeiras, os médicos, os trabalhadores dos laboratórios nos hospitais onde alguém tenha sido admitido por infecção de ebola”.

O professor enfatizou que desde que o vírus foi descoberto em 1976, apenas 1.500 pessoas morreram por ebola, de modo que nunca foi um grave problema para a saúde pública.

“Mas aqui ficou fora de controle. Em primeiro lugar , pois nunca pensamos nem imaginamos que poderia surgir na África Ocidental. A resposta foi muito lenta, portanto saiu do controle antes que as atuais medidas fossem aplicadas”, acrescentou.

Junto com o professor David Heymann, Piot averiguou o vírus e o nomeou ebola devido a um rio do Congo (então Zaire). EFE