Especialistas alertam para exposição exagerada na internet

  • Por Jovem Pan
  • 29/04/2014 10h05

A internet eliminou a separação entre a vida pública e a privada e os usuários expõem cada vez mais a intimidade em redes sociais e aplicativos de mensagens. A popularização do Facebook e Twitter e o sucesso de ferramentas, como o WhatsApp, estimularam a exibição exagerada.

O compartilhamento de fotos e vídeos de reuniões com amigos e familiares e até mesmo da intimidade com o parceiro se torna cada vez mais comum. Essa última prática é conhecida por dois nomes populares, sexting e nude selfie, ou ato de posar nu para foto e enviá-la para o companheiro.

No Brasil, o vazamento dessas fotos e vídeos já teve consequências trágicas, como garotas que tiraram a própria vida após terem a intimidade exposta. A psicóloga da ONG SaferNet, Juliana Cunha, explicou que, apesar de estarem mais vulneráveis, as mulheres não são as únicas vítimas do sexting.

*Ouça os detalhes no áudio

O número de casos de pessoas que tiveram a intimidade exposta na web mais que dobrou no último ano, assim como o de pessoas que pediram ajuda. Em entrevista ao repórter Carlos Aros, a psiquiatra Carmita Abdo, consultora da Jovem Pan, disse que os limites entre público e privado se perderam.

O dado mais alarmante apontado pela SaferNet está relacionado à faixa etária das vítimas: 35% são garotas têm entre 13 a 15 anos. Para denunciar crimes na web, como o vazamento indevido de dados, fotos e vídeos íntimos acesse www.safernet.org.br.