Espiões chineses são condenados por vender segredos militares ao exterior

  • Por Agencia EFE
  • 10/03/2015 04h14

Pequim, 10 mar (EFE).- As autoridades chinesas condenaram a seis e a oitos anos de prisão dois espiões que venderam segredos militares nacionais ao estrangeiro, entre eles fotografias do primeiro porta-aviões da China e importantes projetos de defesa.

Trata-se de dois homens, de sobrenome Han e Zhang, que, de forma separada, fotografaram projetos militares e equipamento da China e venderam centenas de imagens com este conteúdo, altamente secreto, a seus empregadores estrangeiros, informou nesta terça-feira a imprensa estatal, sem especificar o receptor desta informação.

Aparentemente, ambos foram contratados por um suposto jornalista, no caso de Han, e outro suposto editor de uma revista estrangeira, no de Zhang, que lhes ofereceram no ano passado, e de forma separada, altas somas de dinheiro por fotografias de projetos no norte do país.

A Agência de Segurança Nacional de Dalian, capital provincial de Liaoning, no norte, deteve os dois homens no ano passado e lhes acusou de “revelar segredos de Estado”, um delito pelo qual Han foi condenado a oito anos de prisão e Zhang, a seis.

Liaoning é um dos centros manufatureiros de defesa da China, onde se encontram vários projetos de construção e pesquisa militar, como o desenvolvimento de aviões de combate e navios militares como submarinos, porta-aviões e destroieres.

É no porto de Dalian onde acredita-se que esteja sendo construído o segundo porta-aviões da China, com base na informação que de forma esporádica é veiculada na imprensa chinesa.

A China aprovou no ano passado uma nova lei contra a espionagem com o objetivo de intensificar o controle, depois dos múltiplos casos registrados e a aparição de novas ferramentas que facilitam estas atividades. EFE