Estado americano do Missouri executa preso após horas de batalha judicial

  • Por Agencia EFE
  • 15/04/2015 05h12

Austin (EUA), 15 abr (EFE).- O estado americano do Missouri executou Andre Cole, condenado à morte por um homicídio em 1998, depois de a Suprema Corte dos Estados Unidos tornar sem efeito a suspensão temporária da pena determinada por um juiz horas antes.

Cole, afro-americano de 52 anos, foi declarado morto às 22h24 locais de terça-feira (0h24 de quarta-feira em Brasília), com quase quatro horas e meia de atraso segundo o horário inicialmente programado, após receber uma injeção letal na prisão estadual de Bonne Terre.

Em 21 de agosto de 1998, Cole se dirigiu à casa de sua ex-esposa, Terri Cole, depois de as autoridades determinarem que ele pagasse uma pensão alimentícia para os dois filhos mais novos do casal.

Após uma discussão dentro do imóvel, Cole apunhalou o namorado de sua ex-esposa, Anthony Curtis, que morreu em função dos ferimentos.

A defesa de Cole usou uma tripla estratégia para evitar a execução: alegou que o preso sofre de incapacidade mental, pôs em dúvida o protocolo estatal de condenações à morte e apontou discriminação racial durante o julgamento, já que todos os membros do júri eram brancos.

O julgamento ocorreu no condado de Saint Louis, o mesmo de Ferguson, cidade que viveu nos últimos meses uma forte tensão racial após a morte de um jovem afro-americano por um policial branco.

Na noite da última segunda-feira, um juiz federal do Missouri deu razão aos advogados de Cole e ordenou a suspensão temporária da execução. No entanto, o Tribunal de Apelações do Oitavo Distrito dos EUA derrubou a liminar nesta terça-feira.

Os recursos de última hora apresentados na Suprema Corte, que deliberou até o fim da noite, não surtiram o efeito esperado.

Além disso, o governador do Missouri, o democrata Jay Nixon, negou o pedido de clemência após a decisão da Suprema Corte, apesar das campanhas de ativistas opositores da pena capital.

“Não há dúvida de que Andre Cole é culpado do assassinato de Anthony Curtis, a quem apunhalou mais de 20 vezes. Cole também atacou sua ex-esposa, Terri, que sobreviveu. Esse foi um crime horrível”, explicou o governador em comunicado.

Cole foi o terceiro preso executado neste ano no Missouri, o 12º no país. EFE