EUA condenam “brutalidade” do EI após aparente assassinato de refém britânico

  • Por EFE
  • 03/10/2014 19h57

O governo dos Estados Unidos está analisando o vídeo divulgado nesta sexta-feira que mostra o aparente assassinato do britânico Alan Henning, sequestrado na Síria pelo Estado Islâmico (EI), e o considerou “outro exemplo da brutalidade” do grupo jihadista.

“Vimos o vídeo e estamos avaliando para determinar sua autenticidade”, disse em entrevista coletiva a assessora do presidente Barack Obama para segurança nacional e luta contra o terrorismo, Lisa Monaco.

“Se for autêntico, é outro exemplo mais da brutalidade do EI. Nossas condolências estão com a família do refém britânico que acreditamos aparecer no vídeo e com os reféns que seguem retidos pelo grupo e suas famílias”, acrescentou Monaco.

O EI publicou hoje um vídeo com a suposta decapitação do britânico Alan Henning, sequestrado em dezembro do ano passado na Síria e o quarto refém ocidental assassinado pelos jihadistas nesse país.

A gravação, cuja autenticidade não pôde ser verificada, foi divulgada em sites usados pelos islamitas sob o título “Outra mensagem para a América e seus aliados”.

Henning aparecia no final do vídeo que os jihadistas divulgaram em meados de setembro com a execução de outro voluntário britânico, David Haines, o terceiro refém assassinado pelos extremistas nas últimas semanas, junto com os jornalistas americanos James Foley e Steven Sotloff.

Monaco lembrou que Obama está “avançando em uma estratégia integral para degradar e destruir o EI”, por meio da formação de uma coalizão internacional e ataques aéreos tanto no Iraque como na Síria.