Ex-mulher e filhas de fundador da Mancha Verde depõem à polícia em São Paulo

  • Por Agência Brasil
  • 06/03/2017 16h45
SP - MORTE FUNDADOR MANCHA VERDE/DHPP - GERAL - Familiares de Moacir Bianchi, um dos fundadores da torcida organizada Mancha Alviverde, chegam ao DHPP, em São Paulo (SP), na manhã desta segunda-feira (6). A Polícia Civil começa a ouvir hoje testemunhas do assassinato. Ele foi morto a tiros na última quinta-feira. 06/03/2017 - Foto: NEWTON MENEZES/FUTURA PRESS/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDOFamiliares de Moacir Bianchi

A ex-mulher do fundador da torcida organizada Mancha Verde, Moacir Bianchi, morto com 22 tiros na última quinta-feira, prestou depoimento no Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), em São Paulo, nesta segunda-feira. Também foram ouvidas duas filhas de Bianchi.

Segundo o advogado Jonas Marzagão, o depoimento dos parentes é uma questão de rotina para informar detalhes que possam esclarecer quem são os mandantes do crime. “A família saiu confinante no trabalho do DHPP, e espera que o culpado seja preso”, disse  Marzagão. “A polícia perguntou o básico, mas nada que os familiares soubessem. Eles não detalharam nada sobre a investigação porque tudo está sob sigilo”.

Devem ser ouvidos outros integrantes da torcida e o atual presidente, Anderson Nigro. A polícia investiga se Moacir Bianchi foi jurado de morte, pouco antes de ser assassinado, durante reunião na sede da Mancha Alviverde, na qual o clima estava tenso.

Na semana passada a torcida Mancha Alviverde anunciou o encerramento das atividades por tempo indeterminado