Ex-vice-ministro acusado de receber suborno da Odebrecht se entrega no Peru

  • Por Estadão Conteúdo
  • 01/02/2017 15h20
LIM01. LIMA (PERÚ), 03/01/2017.- Fotografía del edificio de Odebrecht hoy, martes 3 de enero de 2017, en el distrito San Isidro de Lima (Perú). El pasado miércoles el Departamento de Justicia de Estados Unidos publicó un informe en el que señaló que Odebrecht y algunas de sus filiales pagaron aproximadamente 788 millones de dólares en sobornos en 12 países, incluido Brasil, para obtener contratos públicos. EFE/Germán Falcón EFE/Germán Falcón EFE - Fachada do prédio da Odebrecht em Lima

O ex-vice-ministro de Comunicações Jorge Cuba, implicado no suposto recebimento de subornos pela construtora Odebrecht no Peru, se entregou na terça-feira à Justiça do país, após retornar de Miami. Câmeras de televisão mostraram o ex-vice-ministro do governo do ex-presidente Alan García durante a manhã ao aeroporto internacional Jorge Chávez de Lima cercado por policiais.

A Justiça havia determinado na semana passada que o ex-vice-ministro ficasse 18 meses preso, enquanto são realizadas as investigações. O advogado dele, Luis Peña, disse a jornalistas que Cuba admitiu delitos. “Jorge Cuba não é responsável por tudo, somente por uma parte”, afirmou o advogado

A promotoria acusa Cuba de receber suborno para ganhar licitações das linhas 1 e 2 do metrô de Lima durante o governo de García (2006-2011). Cuba também é acusado de tráfico de influência e lavagem de ativos.

Após um acordo com a Odebrecht, a promotoria informou que o ex-vice-ministro recebeu suborno de US$ 2 milhões, transferidos pela construtora brasileira.

Em dezembro, o Departamento de Justiça dos EUA informou que a Odebrecht admitiu subornos de US$ 29 milhões a funcionários peruanos para ganhar licitações de obras públicas. Os fatos ocorreram durante os governos dos presidentes Alejandro Toledo (2001-2006), Alan García (2006-2011) e Ollanta Humala (2011-2016).