Família de jovem brasileiro desaparecido na Espanha teme “o pior”

  • Por Agencia EFE
  • 09/01/2014 20h05

Zaragoza (Espanha), 9 jan (EFE).- A família de Víctor da Silva, o universitário de origem brasileira desaparecido no Ano Novo em Zaragoza, na Espanha, disse que teme “o pior” a respeito do paradeiro do jovem de 19 anos, de quem não têm notícias há nove dias.

Sua tia, Selma da Silva, declarou nesta quinta-feira à Agência Efe que o jovem, filho único e que mora com sua mãe desde que tinha oito anos em Zaragoza, “não se foi voluntariamente” porque era uma pessoa “muito responsável”.

Acrescentou que para ele os estudos eram “a prioridade” e que no dia 7 tinha que apresentar um trabalho na universidade, onde estudava Administração e Direção de Empresas.

“Não foi pra nenhum lado por livre e espontânea vontade. Alguém fez algo ou está morto, porque se fosse um sequestro, já teriam pedido dinheiro”, afirmou sua tia, que acrescentou que o jovem poderia ter sofrido “um acidente” e que se estivesse no rio, onde estava sendo procurado, “já teria aparecido”.

Selma ressaltou que Víctor era “muito querido por todos” e que professores e companheiros foram visitar a casa da família para saber mais informações de seu desaparecimento.

A tia lembrou ainda que o jovem foi visto pela última vez no dia 1º de janeiro ao meio-dia na zona do Polígono de Cogullada, próxima à casa da família, onde também se perdeu o rastro de seu telefone celular.

Selma se perguntou por que o sobrinho não pegou um táxi para voltar pra casa e insistiu que Víctor “jamais faria isso por sua própria conta”, ressaltando que o dinheiro que sua mãe lhe deixou antes de viajar ao Brasil para passar as festas natalinas segue em casa.

A família, que pendurou cartazes com a fotografia do jovem por várias áreas da cidade, participará neste sábado da mobilização convocada pelo Facebook para buscar Víctor.

Fontes da investigação disseram hoje à Efe que se avalia que a causa mais provável do desaparecimento do jovem tenha sido um acidente. EFE

lsg/rsd