França ameaça vetar acordo de livre-comércio entre União Europeia e os EUA

  • Por Estadão Conteúdo
  • 03/05/2016 12h31
Presidentes da França e dos EUA

A França ameaça rejeitar um grande acordo de livre-comércio entre a União Europeia e os Estados Unidos, ao dizer que a iniciativa é favorável demais às companhias norte-americanas e provavelmente está condenada ao fracasso.

O presidente francês, François Hollande, disse, na terça-feira, que seu país “nunca aceitará” sacrificar o setor agropecuário e cultural em troca de melhor acesso ao mercado dos EUA. “É por isso que, neste estágio, a França diz não”, afirmou Hollande, do Partido Socialista, durante uma conferência de políticos de esquerda.

Mais cedo, o ministro do Comércio francês, Matthias Fekl, disse à rádio Europe-1 que as negociações “estão totalmente bloqueadas” e que a interrupção das conversas “é a opção mais provável”. Ele insistiu que é preciso conseguir mais proteções para o setor agropecuário e ambientais, além de acrescentar que “em seu estágio atual, a França não pode assinar isso”. “A Europa está dando muito, mas recebendo pouco em troca”, argumentou.

Autoridades europeias parecem endurecer a retórica, após o Greenpeace vazar grande quantidade de documentos confidenciais, os quais sugerem que a UE está sob pressão dos EUA para enfraquecer proteções dos consumidores em setores importantes. O negociador-chefe da UE, Ignacio García Bercero, disse que as conclusões da organização não governamental são “falsas”, enquanto o porta-voz do representante de Comércio dos EUA, Trevor Kincaid, disse que as interpretações estavam em alguns pontos equivocadas.

Ainda assim, García Bercero disse que continua a haver divergência entre os dois lados, após a 13ª rodada de conversas na semana passada. A campanha eleitoral dos Estados Unidos complica as negociações, tornando difícil que o presidente dos EUA, Barack Obama, consiga um acordo antes de deixar o cargo.

A França e alguns outros países europeus com uma tradição culinária e agropecuária rica estão particularmente preocupados, já que as políticas dos EUA dão mais liberdade ao comércio de comida geneticamente modificada, bem como de carne com hormônios.O governo francês também quer proteger sua indústria cinematográfica, ao temer a eventual dominação de Hollywood.