Funcionários de governo americano são expostos a resíduos de antraz nos EUA

  • Por Agencia EFE
  • 19/06/2014 21h44

Atlanta, 19 jun (EFE).- Dezenas de trabalhadores dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos EUA podem ter sido expostos à bactéria carbúnculo, conhecida como antraz, anunciou nesta quinta-feira a agência federal sediada em Atlanta, no estado da Geórgia.

Pelo menos 75 funcionários dos CDC teriam sido contaminados por causa de um erro no manejo do material em um dos laboratórios da entidade.

A agência assinalou que observa de perto os trabalhadores que podem ter sido afetados. Eles foram medicados para minimizar o risco de complicações.

“Por precaução extrema, os CDC estão tomando passos ativos para proteger a saúde de todos os envolvidos”, declarou em comunicado.

De acordo com as autoridades, levando em conta os diferentes cenários possíveis de contaminação, o risco de infecção é “muito baixo”.

Apesar do incidente ainda estar sob investigação, as autoridades assinalaram que os funcionários teriam sido expostos ao carbúnculo depois de manipular amostras do material que não tinham sido inativadas de forma adequada.

Pensando que as amostras estavam inativas, os trabalhadores não utilizaram equipamento de proteção pessoal exigido nestes casos.

O antraz pode infectar a pele, os pulmões e o sistema digestivo das pessoas que entram em contato com a substância, e é considerado um dos agentes de bioterrorismo de mais alto risco, de acordo com dados dos CDC.

A exposição acidental foi descoberta em 13 de junho quando as amostras das bactéria originais foram recolhidas para descarte e foram detectados rastros de bactéria viva que tinha sido distribuída entre vários laboratórios dos CDC.

Até agora, os CDC não consideram que exista risco de contaminação para além dos dos trabalhadores já expostos. EFE