Governo anuncia ajuda de R$ 12 bilhões, e conta de luz deve subir só em 2015

  • Por Agencia EFE
  • 13/03/2014 20h43

Brasília, 13 mar (EFE).- O governo federal vai destinar mais R$ 4 bilhões para diminuir o rombo das distribuidoras de energia elétrica, que têm problemas financeiros pelos custos adicionais provocados pela seca, e para adiar para 2015 a alta da conta de luz, anunciou nesta quinta-feira o ministro da Fazenda, Guido Mantega.

Entre as medidas, destaca-se a contribuição extra de R$ 4 bilhões a um fundo chamado Conta de Desenvolvimento Energético (CDE) que será usado para evitar o aumento tarifário e que já tinha em seu orçamento outros R$ 9 bilhões.

Além disso, será realizado no dia 25 de abril um leilão de compra de energia existente hidro e termelétrica que terá como objetivo reduzir os preços médios, que nos últimos meses dispararam devido à seca que obrigou o uso de centrais térmicas, mais caras que as hidrelétricas, que são a base do sistema elétrico brasileiro.

Graças a estas medidas, a conta de luz não vai subir em 2014, e no próximo ano será feito um novo cálculo para evitar uma volatilidade excessiva nos preços.

Para isso, serão levados em conta tanto a alta excessiva deste ano, devido ao uso das térmicas, como a redução de preços que está prevista em 2015 devido ao final das concessões de várias hidrelétricas que somam 5.000 megawatts de potência, explicaram Mantega e responsáveis pelo sistema elétrico nacional em entrevista coletiva.

O governo também autorizou que a Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE), uma entidade privada, obtenha créditos bancários para socorrer as distribuidoras a pagar as geradoras. EFE