Governo anuncia novos investimentos para fortalecer sistema elétrico

  • Por Agencia EFE
  • 11/08/2015 13h37

Brasília, 11 ago (EFE).- A presidente Dilma Rousseff anunciou nesta terça-feira um programa de investimentos dotado com R$ 186 bilhões e destinado a aumentar a capacidade de geração de eletricidade até 2018.

“Este programa será uma alavanca para a melhoria de todas as infraestruturas do país, para a sustentação do investimento e também para a retomada do crescimento econômico”, disse Dilma na cerimônia em que anunciou este novo plano de investimentos.

O ministro de Minas e Energia, Eduardo Braga, explicou que a intenção do governo é que 80% das obras contempladas nesse plano sejam executadas completamente até 2018, enquanto o resto será licitado nesse prazo, mas concluído posteriormente.

Segundo o projeto, esses novos investimentos permitirão aumentar a capacidade de geração do Brasil, que hoje é de cerca de 134 mil megawatts, para cerca de 25 mil megawatts nos próximos anos.

O plano também prevê a construção de linhas de transmissão ao longo de cerca de 37 mil quilômetros, com o qual o sistema nacional de distribuição de energia chegará a 150 mil quilômetros.

A maior parte dos investimentos estará destinada a obras de novas represas hidrelétricas, que atualmente respondem por quase 70% da matriz energética nacional.

Apesar da severa seca que desde o ano passado afeta essas represas em diversos setores do país, a presidente garantiu que a energia hidrelétrica é e seguirá sendo um dos pontais do setor no Brasil, que tem uma das maiores reservas de água do mundo.

Os investimentos também estarão dirigidos a aumentar o potencial do país nos setores de energia solar, eólica e biomassa.

Dilma sustentou que o programa “ampliará de forma decisiva a solidez do sistema de energia do país”, o que considerou estratégico pois “a ausência de eletricidade compromete o crescimento de toda economia”.

A presidente também afirmou que a ampliação dos sistemas de geração Y transmissão elétrica será “fundamental” para que o país “chegue mais forte no final de sua travessia”, como costuma qualificar o momento atual, de sérias dificuldades econômicas.

Nesse marco, Dilma garantiu que o governo “trabalha sem descanso” para que o país “supere esta fase de dificuldades e ajustes econômicos”, que será “temporária” e começará a ser superada, segundo seus cálculos, a partir do próximo ano. EFE

ed/ff