Governo de SP divulga trajeto a ser seguido pelo MPL nesta terça-feira

  • Por Agência Estado
  • 26/01/2016 16h37
Sao Paulo- SP- Brasil- 08/01/2016- Movimento Passe Livre (MPL), realiza ato contra o aumento das tarifas do transporte público na cidade de São Paulo. A concentração para o ato ocorre em frente ao Teatro Municipal, região central da cidade. Foto: Paulo Pinto/ Fotos PúblicasProtesto do MPL pela redução da tarifa do transporte.

A Secretaria da Segurança Pública (SSP) divulgou na tarde desta terça-feira, 26, o trajeto que deve ser seguido pelo Movimento Passe Livre (MPL) no protesto marcado para as 17 horas na capital paulista. Na segunda-feira, 25, o MPL lançou nota no Facebook, em que explica por que se recusará a informar o percurso a ser seguido pelas manifestações.

Segundo a SSP, “o poder público se organizou para a seguinte sequência: Estação da Luz, Rua Cásper Líbero, Avenida Ipiranga, Avenida São Luiz, Viaduto Maria Paula e Avenida Brigadeiro Luís Antônio, até à Alesp (Assembleia Legislativa de São Paulo)”. 

A Secretaria disse ainda, em nota, que lamenta que o MPL tenha se negado a “comunicar previamente as autoridades sobre o trajeto e o destino da manifestação”. Segundo o governo, a comunicação prévia é “fundamental para que o trânsito seja reorganizado, bem como o traçado das linhas de ônibus”. “Também é importante para a limpeza prévia do trajeto.” 

No último ato do Movimento Passe Livre em São Paulo, houve impasse sobre o destino da manifestação. Os ativistas pretendiam ir até a Alesp, mas foram contidos pela Polícia Militar, que alegou que o trajeto não seria possível por causa de manifestações anteriores nas vias que o movimento queria ocupar

A PM reagiu, na Praça da República, com bombas de gás, spray de pimenta e balas de borracha. Pelo menos nove pessoas ficaram feridas. 

Após o tumulto, o MPL publicou no Facebook um texto em que defende o direito de o movimento decidir o trajeto. “A Secretaria de Segurança Pública não está autorizada pela Constituição Federal a determinar quando e onde a população pode se manifestar. Por isso, manteremos o nosso diálogo aberto com os manifestantes, conversando sobre o trajeto do ato em nossa concentração”, disse o MPL.