Governo de SP fez acordo com PCC para término de violência, diz jornal

  • Por Jovem Pan
  • 27/07/2015 08h05
Marcos Willians Herbas Camacho, o Marcola, líder da facção criminosa PCC (Primeiro Comando da Capital) durante depoimento para os deputados federais da CPI do Tráfico de Armas, na penitenciária de Presidente Bernardes (SP). Os deputados tiveram que se deslocar até ao presídio por questão de segurança. (São Paulo, SP, 08.06.2006 Rogério Cassimiro/Folhapress - Digital)Marcola

Representantes da cúpula do governo estadual teriam feito acordo com PCC, o Primeiro Comando da Capital, para acabar com ataques de 2006. Os integrantes da organização criminosa queriam garantias de que o líder Marcos Willians Herbas Camacho, o Marcola, estaria bem fisicamente. A proposta foi aceita pela cúpula da segurança e autorizada pelo ex-governador Claudio Lembo, que nega o acordo, mas admite a reunião.

Segundo o jornal O Estado de São Paulo, as informações constam do depoimento do delegado Luiz Ramos Cavalcanti, que investigou membros do PCC.

Além da cúpula governista, o encontro no presídio de Presidente Bernardes, contou com a presença de uma advogada da organização e de Marcola. Com o acordo, que ainda incluía a integridade física de presos amotinados, o chefe do PCC teria dado a ordem, por celular, para cessarem os ataques.