Governo do Rio entrega 1.260 unidades do Minha Casa, Minha Vida

  • Por Agencia Brasil
  • 13/01/2014 15h45

Da Agência Brasil

Rio de Janeiro – O governo estadual entregou hoje (13) 1.260 casas a famílias que viviam em áreas de risco nas zonas oeste e norte da cidade. A entrega dos imóveis, que faz parte do programa do governo federal Minha Casa, Minha Vida, ocorreu no conjunto habitacional Haroldo de Andrade, no bairro de Barros Filho, na zona norte. Segundo o governo, mais de 5 mil pessoas serão beneficiadas.

São 36 prédios com parquinho para as crianças, quadras poliesportivas, além de Espaço de Desenvolvimento Infantil, creche e 12 lojas. Os apartamentos foram destinados para famílias com renda de até R$ 1,6 mil. Com o orçamento total de R$ 65 milhões, o terreno do condomínio fica em uma área privativa de 45 mil metros quadrados, a 170 metros da estação de trem de Barros Filho.

Além disso, 38 unidades do conjunto habitacional foram adaptadas para garantir condições de acessibilidade, com cozinha e banheiro para pessoas que usam cadeiras de roda.  

Os moradores receberam também cartões da linha de financiamento Minha Casa Melhor, do governo federal, para a compra de eletrodomésticos, móveis e eletrônicos.

De acordo com o governador Sérgio Cabral, mais 2 mil unidades devem ser entregues até março na Cidade de Deus, na zona oeste, e no terreno onde ficava o antigo presídio Frei Caneca, no centro da cidade. "É muito gratificante poder entregar a essas famílias esses imóveis. Muitas dessas pessoas nunca tiveram uma casa, sempre viveram na rua, e nós esperamos com isso dar um pouco mais de dignidade para essa população tão sofrida", disse o governador.

A ex-moradora de rua Regina Couto foi uma das beneficiadas. "Sempre morei embaixo da ponte e catei latinha para sobreviver. Com essa casa, eu posso agora tentar sonhar com algo melhor para a minha vida", contou.

Edição: Carolina Pimentel

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a Licença Creative Commons Atribuição 3.0 Brasil. Para reproduzir as matérias, é necessário apenas dar crédito à Agência Brasil