Governo federal é omisso sobre tráfico de drogas e armas, diz Alckmin

  • Por Estadão Conteúdo
  • 24/05/2017 13h25
SP - CRACOLÂNDIA/AÇÕES/SP - GERAL - O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, e o prefeito da capital paulista, João Doria, concedem entrevista coletiva na sede da Prefeitura, no centro da cidade, nesta quarta-feira, 24, para explicar as açõs sociais do projeto "Nova Luz". O secretário estadual da Saúde, David Uip, e o secretário de Habitação do Estado, Rodrigo Garcia, também estavam presentes. 24/05/2017 - Foto: MARCELO CHELLO/CJPRESS/ESTADÃO CONTEÚDOAlckmin e Doria - ae

Em meio à crise no Palácio do Planalto e às discussões sobre uma eventual sucessão do presidente Michel Temer (PMDB), o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), levantou críticas ao governo federal no combate ao tráfico de armas e drogas.

Durante uma coletiva de imprensa na sede da Prefeitura sobre a ampliação de programa habitacional na região da Luz e o combate ao tráfico de drogas na Cracolândia, nesta quarta-feira (24), o governador afirmou que a administração estadual está fazendo sua parte diante da omissão do governo federal no combate ao crime organizado e tem o “dever de agir”.

Ao lado do prefeito João Doria (PSDB), Alckmin disse que o “o Brasil inteiro sofre” com o tráfico. “Há uma omissão do governo federal em relação ao tráfico de drogas e armas. O Brasil inteiro sofre. Hoje o País é o maior consumidor de crack do mundo. Estamos fazendo nossa parte”, disse Alckmin.

O governador tucano afirmou ainda que é “muito confortável” a omissão e defendeu as ações de combate ao tráfico e atendimento aos dependentes de drogas na Cracolândia paulistana. 

Já o prefeito João Doria evitou criar polêmica com a gestão do presidente Temer. Ele chegou a destacar, inclusive, que há uma integração entre a Prefeitura, o governo do Estado e a União na assistência social e na habitação para os programas na região da Luz. 

Doria disse que estava fazendo um gesto de “agradecimento” ao governo federal, citando os ministros Osmar Terra (Desenvolvimento Social e Agrário) e Bruno Araújo (Cidades). O prefeito disse ainda que deve receber Osmar Terra nesta quarta em São Paulo.