Governo mexicano anuncia captura de braço direito de chefe dos “Templários”

  • Por Agencia EFE
  • 23/01/2014 03h48

Cidade do México, 22 jan (EFE).- As forças federais que operam no estado de Michoacán, no México, capturaram Héctor Chávez Quiroz, considerado o braço direito de um dos principais líderes do cartel dos “Cavaleiros Templários”, informaram nesta quarta-feira fontes oficiais.

O secretário-executivo do Sistema Nacional de Segurança Pública, Monte Alejandro Rubido, disse em entrevista coletiva em Morelia, a capital de Michoacán, que Chávez é “parte importante de uma estrutura criminosa”, sem precisar seu nome.

A imprensa local, no entanto, informou que Chávez Quiroz, conhecido como “El Mariachi”, é o braço direito de Enrique Plancarte, um dos principais líderes dos “Cavaleiros Templários”.

Nos últimos meses o governo mexicano está evitando detalhar quais são os cartéis aos quais pertencem as pessoas que são presas por crimes vinculados com o tráfico de drogas.

O detido, de 40 anos de idade, “era responsável por supervisionar o estabelecimento de laboratórios clandestinos para a elaboração de drogas sintéticas e coordenava o envio das mesmas aos Estados Unidos”, disse Rubido.

Héctor Chávez Quiroz foi capturado ontem no município de Uruapan “como resultado de um trabalho de inteligência” em companhia de Rigoberto Colín Cortés, de 26 anos, Miguel Ángel Chávez Quiroz, de 31, e Víctor Hugo Luna Mejía, de 28 anos.

“Com os detidos foram encontrados um lança-foguetes antitanque RPG de fabricação russa com um foguete útil, sete armas longas e duas curtas, 48 carregadores com cartuchos úteis de diferentes calibres, oito quilos de drogas sintéticas, folhetos sobre uma das organizações criminosas que operam na região, fornituras diversas e equipamento de comunicação”, apontou Rubido.

Acrescentou que os presos foram transferidos para a Cidade do México e entregues ao agente do Ministério Público Federal designado pela Subprocuradoria Especializada na Investigação sobre o Crime Organizado (Seido, sigla em espanhol).

Por outro lado, o funcionário afirmou que ocorreram outras detenções em Michoacán, entre eles a de Andrés Virrueta Mora, detido em La Ruana, no município de Buenavista, na posse de 200 litros de substâncias químicas para a elaboração de drogas sintéticas.

Também se referiu à prisão de quatro pessoas ontem em Morelia, entre elas uma mulher, acusadas de extorsão. “É importante mencionar que essas pessoas se faziam passar por membros de uma organização criminosa”, disse.

Além disso, informou que como resultado dos reconhecimentos aéreos da Força Aérea Mexicana e da Procuradoria Geral da República no estado, foram detectados e destruídos 36 locais de cultivo de maconha com uma extensão total de 20.290 metros quadrados, e quatro plantações de papoula com extensão de 550 metros quadrados.

Na semana passada, o governo mexicano anunciou um reforço dos efetivos militares e policiais em Michoacán pelas ações do cartel dos “Cavaleiros Templários” e o avanço das milícias de autodefesa que recorreram às armas para lutar contra essa organização criminosa. EFE