Governo prepara pacote que dá crédito para empresa que não demitir funcionários

  • Por Jovem Pan
  • 18/08/2015 18h59
Marcos Santos/USP Imagens dinheiro

O Governo prepara um novo programa de ajuda para os grandes setores industriais do país. A criação de linhas de crédito por bancos públicos, com juros menores para aqueles que se comprometerem a não demitir funcionários é a primeira medida, anunciada nesta terça-feira (18).

O uso de bancos públicos para financiar o setor produtivo fez parte da política de incentivo ao crescimento adotada entre 2008 e 2014. No entanto, ela foi criticada pela atual equipe econômica.

A Caixa liberará cerca de R$ 5 bilhões somente para o setor automotivo, incluindo dinheiro próprio e recursos dos trabalhadores (FAT e FGTS). nesta quarta-feira (19), o BB também anunciará linhas de financiamento para estas empresas.

Ainda em negociação com o Governo estão os setores de petróleo e gás, alimentos, energia elétrica, eletroeletrônico, telecomunicações, fármacos, químico, papel e celulose, máquinas e equipamentos e construção civil.

Segundo a presidente da Caixa Econômica Federal, Miriam Belchior, esta é uma política que foi discutida com várias áreas do Governo e possui como objetivo ajudar empresas durante este momento da economia brasileira.

No setor automotivo serão quatro linhas de crédito. De acordo com Miriam Belchior, o banco público oferecerá condições especiais nas linhas de capital de giro e investimento, além de condições diferenciadas em linhas de crédito e outros produtos e serviços do banco, a fim de beneficiar da micro à grande empresa.

Segundo ela, a meta é contribuir para a melhoria do fluxo de caixa das empresas e fornecedores, auxiliando no pagamento de despesas, salários, tributos e reposição de estoques.

A presidente da Caixa informou que o convênio é uma parceria importante, pois “as excelentes condições” oferecidas pelo banco contribuem para apoiar um dos setores que mais empregam. “Com isso, vamos gerar possibilidades para que as empresas garantam suas atividades e equilibrem negócios, conforme a necessidade de cada uma.”

As taxas mínimas serão aplicadas a empresas que se comprometerem a não demitir seus trabalhadores durante o prazo de empréstimo. O controle será feito por acompanhamento da folha de pagamento da empresa. Caso sejam feitas demissões, o desconto na taxa de juro deixa de ser válido.