Governo tailandês se recusa a adiar eleições

  • Por Agencia EFE
  • 28/01/2014 10h28

Bangcoc, 28 jan (EFE).- O governo da Tailândia reiterou nesta terça-feira sua intenção de realizar as eleições gerais convocadas para 2 de fevereiro após descartar o adiamento que pedia a Comissão Eleitoral diante do risco de um aumento da violência.

“O governo considera que o adiamento das eleições não resolveria os problemas. Em consequência, as eleições acontecerão em 2 de fevereiro, assim como estava previsto”, disse em entrevista coletiva o vice-primeiro-ministro, Phongthep Thepkanjana.

A primeira-ministra, Yingluck Shinawatra, tomou a decisão depois de se reunir com os membros da comissão, que há semanas reivindicam que a votação seja adiada devido ao clima de tensão política causado pelos protestos antigoverno.

O comissário encarregado da organização do pleito, Somchai Srisuthiyakorn, disse, antes do encontro com o governo, que as eleições deveriam propor entre três e quatro meses para que todas as partes reconduzam o conflito político.

A reunião aconteceu depois que o Tribunal Constitucional considerasse legal e de acordo com a Carta Magna um adiamento se fosse estipulado pelo governo e a Comissão Eleitoral.

No domingo, manifestantes antigoverno boicotaram a votação antecipada para as eleições ao bloquear os acessos a colégios eleitorais de Bangcoc e de várias províncias do sul do país.

Pelo menos 440 mil pessoas dos 2 milhões que se tinha registrado para o voto antecipado se ficaram sem depositar sua cédula nas urnas, segundo os dados da Comissão Eleitoral.

Cerca de 20 partidos concorrerão às eleições de domingo às quais não concorrerá o principal partido da oposição, o Partido Democrata, que as boicota. EFE