Greve de garis prejudica serviços de limpeza em 130 municípios paulistas

  • Por Agência Brasil
  • 25/03/2015 15h09
SÃO CAETANO DO SUL, SP, 25.03.2015: GARIS-SP - Lixo acumulado em rua em São Caetano do Sul, na Grande São Paulo, nesta quarta-feira. Garis da Grande SP decidem manter a greve após 2º audiência no TRT. (Foto: Carla Carniel/Frame/Folhapress)Garis da Grande SP decidem manter a greve após 2º audiência no TRT

No terceiro dia de greve dos garis no estado de São Paulo, os 130 municípios afetados pela paralisação têm buscado alternativas para manter o nível essencial dos serviços. O Sindicato das Empresas de Limpeza Urbana de São Paulo, que representa as concessionárias prestadoras do serviço, informa que o movimento tem mais adesão nas cidades maiores, em especial na região do Grande ABC. Segundo a Federação de Trabalhadores em Serviços, Asseio e Conservação Ambiental, Urbana e Áreas Verdes do Estado de São Paulo, 30 mil garis aderiram à greve.

Em alguns municípios, as prefeituras relatam que os grevistas têm hostilizado os funcionários que fazem o serviço de contingência. Em Santo André, região do Grande ABC, os coletores deixaram hoje (25) o aterro municipal sob escolta policial. No entanto, o Serviço Municipal de Saneamento Ambiental da cidade informa que, como a Polícia Militar não pôde acompanhar os trabalhadores em todo o trajeto, eles acabaram retornando sem recolher o lixo.

O Serviço de Saneamento Ambiental informou ainda que mantém 49 funcionários para fazer a coleta de lixo, com prioridade para as ruas onde ocorrem feiras livres. A prefeitura de São Caetano, município do Grande ABC, tem atuado de maneira semelhante, mas admite que não tem conseguido manter a frequência normal dos serviços.

Em Mauá, na região metropolitana da capital, a prefeitura relatou ações dos grevistas contra o trabalho emergencial. Porém, não chegou a ser solicitada escolta policial. De acordo com a administração municipal, os trabalhadores que aderiram ao movimento têm barrado a entrada de caminhões no aterro da cidade.

Em Itanhaém, na Baixada Santista, a prefeitura reclama do descumprimento da decisão judicial que determinou a manutenção de 70% dos serviços de limpeza e coleta de lixo. “O único serviço de limpeza e coleta que vem sendo feito pela empresa contratada é o de coleta de resíduos da [área de] saúde”, ressalta a administração municipal, que tem tentado manter parte dos serviços, com foco nos locais com maior fluxo de pessoas e feiras livres.

Os caminhões foram impedidos de sair da base operacional em Cotia, Grande São Paulo. Segundo a prefeitura, os grevistas também bloquearam a saída dos funcionários que prestam serviço para a Secretaria de Obras do município. Por isso, a secretaria está pedindo à população para armazenar o lixo até que a coleta seja restabelecida.

A liminar obtida pelas empresas está sendo respeitada em Osasco e Itapevi, ambos na zona oeste da região metropolitana de São Paulo. A prefeitura de Osasco informou que a coleta na cidade está sendo complementada por servidores da Secretaria Municipal de Serviços e Obras.

Em Araçatuba, no interior do estado, a prefeitura acompanha o movimento de paralisação, de modo a garantir que a concessionária mantenha 70% dos serviços, como estipulado pela Justiça. Em Paulínia, também no interior, o Sindicato das Empresas Urbanas de São Paulo destaca que a decisão judicial não está sendo cumprida.

Apesar dos relatos, a Federação de Trabalhadores em Serviços, Asseio e Conservação Ambiental, Urbana e Áreas Verdes do Estado de São Paulo divulgou nota em que diz que os trabalhadores estão cumprindo a decisão da Justiça. A categoria reivindica reajuste de 11,73%. Após audiência de conciliação, ontem (24), no Tribunal Regional do Trabalho (TRT), as empresas aumentaram a oferta de 6,5% para 7,68% de reajuste. O encontro acabou sem acordo, e não há previsão para nova rodada de negociação.

O presidente do Sindicato das Empresas de Limpeza Urbana, Ariovaldo Caodaglio, disse que a representação patronal fará hoje uma avaliação da greve para decidir os próximos passos.