HRW diz que OEA cometerá grave erro sse não discutir a situação venezuelana

  • Por Agencia EFE
  • 28/02/2014 16h43

Nova York, 28 fev (EFE).- A organização humanitária Human Rights Watch (HRW) disse nesta sexta-feira que a Organização dos Estados Americanos (OEA) cometeria “um grave erro” se não permitisse uma discussão sobre a situação na Venezuela.

A organização “não deveria permitir que esta grande oportunidade para abordar os problemas de direitos humanos centrais na Venezuela seja desperdiçada”, assinalou HRW em comunicado .

O diretor da HRW para as Américas, José Miguel Vivanco, recalcou que a Venezuela “não é o único país da região onde ocorreram manifestações maciças e majoritariamente pacíficas”.

Vivanco acrescentou que “o que distingue a Venezuela é o modo como o Governo reagiu”, com uma combinação de “medidas abusivas” que incluem a censura de meios de comunicação, o encarceramento arbitrário de dirigentes opositores e a “força brutal” contra os manifestantes.

A Human Rights Watch lembrou que na terça-feira passada o Governo do Panamá solicitou ao Conselho Permanente da OEA a realização de uma sessão extraordinária para debater a convocação de uma reunião de chanceleres perante a situação que a Venezuela está vivendo.

A Venezuela solicitou deixar sem efeito a convocação por motivos de procedimento, e a realização da reunião segue no ar.

“Quais as dúvidas sobre se as violações de direitos humanos ocorridas na Venezuela merecem a atenção da OEA? Seria um grave erro permitir que o Governo venezuelano evite uma discussão sobre estes eventos”, afirmou Vivanco no comunicado.

O chanceler venezuelano, Elías Jaua, disse ontem no Uruguai que a União de Nações Sul-americanas (Unasul) é o âmbito “mais eficaz” e de funcionamento mais “democrático” do que a OEA para tratar a situação gerada pelas manifestações violentas na Venezuela. EFE